4.5.08

Todas as mães do mundo

Ansel Adams

Em direcção a um inequívoco conforto,
corro pelos sulcos dos olhos da minha mãe:
planície imensa onde rebolo a infância
e deixo fugir os sonhos enrodilhados na esperança.
A minha mãe: lua cheia de aconchego, rio quente
onde posso albergar o pânico de ter crescido.
Transponho para o coração um tempo mítico,
como uma história de muitos séculos,
perturbadoramente gémea de um futuro
protegido por todas as mães do mundo.

Graça Pires
De Outono: lugar frágil, 1993

24 comentários:

Sophiamar disse...

Em Domingo de Maio, desejo-te um feliz dia da Mãe, querida amiga.

Com mil beijinhos e um muito obrigada por seres quem és.

Bem Hajas!

hfm disse...

Bateu forte cá dentro, Graça.

Obrigada pelas palavras deixadas na Cabotagem - um grande amigo que começou por ser meu orientador de estágio. Há pessoas que nos marcam e que serão sempre eternas.

Pena disse...

Sim! Adorável amiga:
As mães acarretam com todo o conforto do mundo. No olhar. No seu aconchego. No seu coração sempre doce e apetecido.
Por mais gerações e gerações que passem há ali sempre o eterno colo de afecto. Protecção.
Adorei o que escreveu, amiga.
Um poema sublime e genial a todas as mães.
Simplesmente, arrebatador. Lindo!
Beijinhos amigos (Muitos!).
Sempre a admirá-la e a respeitá-la.
Com forte estima

pena

É uma brilhante poetisa.

Marinha de Allegue disse...

A todas elas GraZas!!!.

Beijossssssss guapa.
:)

© Piedade Araújo Sol disse...

muito bem, uma bonita homenagem a todas as mães.

beij

Anónimo disse...

Sublime este poema à Mãe. A todas as Mães do mundo.
Muito emocionante!

Beijo.
Teresa P.

Victor Oliveira Mateus disse...

Só depois de ler o teu poema é que percebi porque tenho andado triste todo o dia... Eu, que nunca vejo calendários, fui todo o dia subterraneamente sugado por essa falta de raízes. E não me apercebi!
Agora a tua escrita, feita de terra, plantas, raízes, mães, lua, sol, braços... é que me re-ligou!
Fiquei melhor... mais em comunhão com a terra mátria! Obrigado! 1 bj.

Vieira Calado disse...

Uma bela homenagem às mães,
que todos temos, ou tivemos!

Um abraço

isabel mendes ferreira disse...

bom dia Alma Matter....
fala-te uma mãe. a dizer obrigada.
e "ás vezes não sei por que motivo afogo o olhar em trágicos silêncios.Para encontrar a luz me bastava enfrentar a noite..."
Graça Pires in Uma extensa Mancha de sonhos.
:)

beijo.

Teresa Durães disse...

Mãe: fortaleza dos terrores. Um bom dia da mãe atrasado.

inominável disse...

tb quero ser a lua cheia de aconchego da minha pequenina acabadinha de nascer...

soledade disse...

"Mãe" está tão próxima de palavras como "inequívoco", "protegido", esse aconchego. O meu foi muito breve. Mas o poema apela ao tempo mítico da infância que nunca morre, tutelado pelas águas maternas. Aí reconhecemo-nos todos.
Um beijo por este poema, Graça, e uma boa semana

Regina disse...

Lindo, simplesmente lindo!

Regina disse...

Lindo, simplesmente lindo!

herético disse...

deixas palavras muito belas. a todas as mães do Mundo!

Benó disse...

Uma boa semana com os filhos sempre em nosso coração, são os meus votos.Os beijos especiais neste dia são sempre uma coisinha boa e, dos netos, então nem se fala!
Gostei de ler a sua homenagem às mães do mundo e eu como cidadã do mesmo, agradeço muito sinceramente a parte que me cabe.

Ana Luar disse...

Simplesmente belo... como belas sãos todas as MÃES.

De Amor e de Terra disse...

Olá Gracinha, AMEI!!!!!
Parabéns pelo poema, pelo amor demonstrado.

Beijos

Maria Mamede

alice disse...

querida graça, gostaria muito de lhe ter desejado um feliz dia da mãe, mas não me foi possível. no entanto, as suas palavras ajudam-me a universalizar este desejo. um grande beijinho de aconchego para si.

Luis Eme disse...

lindo e com todo o sentido...

abraço Graça

Licínia Quitério disse...

Na Mãe se pode "albergar o pânico de ter crescido". A graça de seres Poeta :))

Beijinho.

Graça Pires disse...

Um beijo a todas as mães e a todas as filhas e filhos.

nana disse...

:,o)

Elizabeth F. de Oliveira disse...

Um beijo no coração, Graça, ainda que atrasado, porque és mãe de tão belas palavras.