25.7.08

Memórias de Dulcineia IV

Vermeer
Indecisa, seguro entre as mãos
a carta que um dia recebi:
sem remetente, sem data,
sem perfume.
Com uma haste de fogo
a queimar-me as pálpebras,
eu leio:
dia da minha noite,
prazer da minha mágoa,
norte dos meus caminhos,
estrela da minha ventura.

Os meus lábios, lentamente,
tocando as letras, lambendo
o sonho impresso no papel.
Um aroma de jasmim
devassando o ar.


Graça Pires
De Uma extensa mancha de sonhos, 2008

26 comentários:

dona tela disse...

Voltei!!

Já tinha saudades.

© Piedade Araújo Sol disse...

ficamos com o aroma dos jasmins.

muito bem. sempre fiel ao teu estilo.

beij

João Videira Santos disse...

Das palavras perfumadas com aroma silvestre ficou o texto que aqui se lê...

Parapeito disse...

...e o perfume ficou no ar...

Sophiamar disse...

E a beleza do poema tocou-me, e o jasmim passou do post para o ar que respiro. As palavras têm vida que chega até nós.

Excelente escrita!

Beijinhos mil

Marinha de Allegue disse...

Ola Graça: poderías deixarme o teu correo electrónico escribindo a marinha.allegue@gmail.com

Beijinhosssss.
:)

doisolhinhos disse...

Uma carta de Amor.

"...As cartas de amor,
se há amor,
Têm de ser
Ridículas. ..."

teresa p. disse...

"Os meus lábios, lentamente,
tocando as letras, lambendo
o sonho impresso no papel."
Muito, muito lindo!
Beijo.

Ailime disse...

Lindo, simplesmente...belo!
Um amor perpetuado, agora e sempre, pelo "aroma de jasmim devassando o ar".
Beijinho grande.

Benó disse...

Mais um lindo poema que nos mostra a sensibilidade de quem escreve.
Creio que no "aroma de jasmim devassando o ar" poderemos sentir a presença do ausente ser amado.

Um grande beijo e bom fim de semana.

Anónimo disse...

Vampira...?
Mas bem escrito.

São disse...

Cartas de amor...
Quem as não teve?
Feliz fim de semana.

Pena disse...

Admirável Amiga:
Um poema sensível. Doce.
Que fala com as pessoas transmitindo beleza e encanto.
Concebido com talento e imensa genialidade de expressão poética maravilhosa.
Destaco, pela beleza nele contida:

"...dia da minha noite,
prazer da minha mágoa,
norte dos meus caminhos,
estrela da minha ventura..."

"...Os meus lábios, lentamente,
tocando as letras, lambendo
o sonho impresso no papel..."

Notável. Parabéns!
Adorei!

Beijinhos de amizade.
Um belo momento de poesia, amiga.
Sempre a admirá-la

pena

heretico disse...

fremente. como o beijo imprenso.
devassando o ar. no aroma de jasmim.

belíssimo!

beijo

pin gente disse...

muito bonito!

ler com os lábios e inalar o aroma do jasmim

beijo, graça

TINTA PERMANENTE disse...

Com as memórias vive-se outra vez...

Abraços!

Elizabeth F. de Oliveira disse...

Em nossa vida, carregamos sempre na extensa bagagem das nossas lembranças cartas: escritas, recebidas e por escrever; que deixam sempre um rastro do perfume da saudade.
Adoro esse poema.
Um grande beijo.

Victor Oliveira Mateus disse...

Um ligeiro temor de que talvez
o que tanto fora esperado seja possível... o medo e o desejo, lado a lado.
Um beijo, Graça.

hfm disse...

Um aroma de jasmim na tua poesia diluindo-se no azul dos mistérios de Vermeer. Belíssimo!

Licínia Quitério disse...

a carta que quisemos recebe. dia da nossa noite.

fico com o perfume do jasmim.

beijinho.

Licínia Quitério disse...

era "receber" :)

mariah disse...

poema devastadoramente belo.


mariah

adelaide amorim disse...

Perfeito casamento figura-texto, em seu post perfumado e tão bom de ler que é como uma carícia.

maria m. disse...

de um romantismo suave todo o poema... lindo!

bjos.

ivone disse...

viste o filme a rapariga do brinco de péloras?

Menina_marota disse...

E no aroma do jasmim está toda a essência da memória que se transforma em palavras mágicas.

Beijo ;)