3.7.08

Retrato improvisado

Picasso

Por dentro da tua voz, posso adivinhar
a cidade longínqua que te perturba o rosto.
Vieste de todos os lugares onde as emoções
se expõem do lado da desordem,
e chegaste com os pássaros transparentes
que, agora, repousam nos teus olhos:
água ou mágoa, a juntar os pedaços da tua sombra,
repartida por quantos silêncios te cercaram?
Não. Não te ausentes ainda.
Deixa-me reaver todo o júbilo das mãos,
na curva do teu peito, onde vejo uma pátria
cor de trigo, que me aquieta o corpo.


Graça Pires
De Ortografia do olhar, 1996

25 comentários:

Sophiamar disse...

Que lindo poema! São sempre muito bonitos os teus poemas. Passei para te ler e saio reconfortada.

Deixo-te um abraço grande, muito grande, do tamanho da amizade que tenho por ti.

Beijinhos

Elizabeth F. de Oliveira disse...

Bravo! O meu coração agradece.
Sempre fico perplexa com teu vigor poético.
beijo de além-mar.

Luis Eme disse...

por dentro das tuas palavras,
posso adivinhar os lugares, as emoções,
que repousam nos teus olhos...

e até juntar os pedaços da tua bonita sombra...

tão visivel...

abraço Graça

maré disse...

junta nas mãos.

as cerejas e os afagos.

e ____________

intimamente.

inaugura-me de calma.

belíssimo. como sempre.

bj, Graça

maré

Victor Oliveira Mateus disse...

A alegre saudação a uma chegada.
O trémulo, e algo assustado, pedido para que não parta...Belo!

Alexandre Bonafim disse...

Graça, querida, mais uma vez e sempre você consegue modular a palavra e dela extair o suprema dádiva de ser humano, de amar, de pulsar, enfim. Como sempre: Bravo!
Beijo.

© Piedade Araújo Sol disse...

fazes o que queres das palavras e elas ganham tantos significados.

escreves muito bem..

beij

alice disse...

de quando a nossa voz fala de outros lugares e emoções. gostei muito, graça. um grande beijinho.

João Videira Santos disse...

"Deixa-me reaver todo o júbilo das mãos,
na curva do teu peito, onde vejo uma pátria
cor de trigo, que me aquieta o corpo." Bonito, diferente!

dona tela disse...

Sou mesmo uma alma sensível.

Muitos cumprimentos.

heretico disse...

belas as cidades (impossíveis) e os rostos perturbados sonhando-as.

gostei muito. posso "roubar" para a SN?

Vieira Calado disse...

Muito bom!
Óptimo fim de semana.
bjs

teresa p. disse...

"Por dentro da tua voz..." toda a emoção jorra em palavras sublimes, que enchem a alma.
Beijo.

Só- Poesias e outros itens disse...

Sempre
lindos poemas por aqui.

bjs.

Ju Gioli

São disse...

Onde é essa pátria cor de trigo?,,,Porque a nossa está cinzenta!
Fica bem, Graça.

isabel mendes ferreira disse...

nunca daqui ausente. deste lugar sábio onde as palavras fluem...no improviso de quem sabe a textura da alma.



abraço. terno. muito. Graça!

Vera disse...

Adorei o poema. Forte e muito emotivo!

Beijinhos

hfm disse...

Belíssima linguagem poética servida de imagens perfeitas. Um beijo.

maria m. disse...

pleno de imagens e significados, um poema muito bom, Graça! Beijo.

Marinha de Allegue disse...

Os teus poemas sempre son especiais Graça es unha artista en maiúsculas.

Unha aperta e un beijo amiga.
:)

Soledade disse...

Gostei muito deste poema, Graça. Do modo como celebra um encontro entre dois estranhos que se fazem pátria mútua.
Um beijo, um bom domingo

dona tela disse...

Vou ali e já volto.
Beijinhos.

Paula Raposo disse...

Tão belo o teu poema!! Beijos.

Ailime disse...

Como diz Elizabeth F. fico perplexa também com tamanha inspiração!
Grande e belo poema!
Parabéns.

Beijinho.

d'Angelo disse...

Quem me dera ter no coração tal campo de trigo, para chão, senda e abrigo de tamanho amor!