18.9.08

Apesar da sede

Picasso
Tudo podia ser mais simples.
Mas a infância fica tão longe
e os espelhos começaram
a gritar-me uma inocência
que deixou de ser minha
para sempre.
O que quero dizer
acompanha, devagar,
o movimento do sol.
E são cada vez mais lentos
os passos que me levam
na direcção das nascentes.
Apesar da sede.


Graça Pires
De Uma extensa mancha de sonhos, 2008

34 comentários:

Luis Eme disse...

tens razão, Graça,

tudo podia ser mais simples...

abraço

d'Angelo disse...

Essa sede infinita faz brilhar o sol; os passos, como as palavras, são precisos, têm o encanto da exatidão. E esse espelho, diante de você, Graça, reflete a mais bela poesia.

SMA disse...

Reconhecer a incência perdida é te-la...
.
.
.
precorrer as estações da vida
voltar à fonte

bjo
gostei
muito

adelaide amorim disse...

Graça, seus poemas têm aquele traço peculiar de autor que todo poeta deseja imprimir no que escreve. São como rostos de uma mesma família. Um beijo.

mariavento disse...

Talvez tenha que ser assim. E quem sabe, no fim( princípio) uma surpresa?!!!

Beijo

Teresa Durães disse...

o caminho nunca acaba e perde-se a inocência num instante

soledade disse...

Afastamo-nos do nosso princípio, desse ponto em que fomos brilhantes de novidade e de possibilidades. E à medida que o périplo prossegue, mais difícil se torna refazer o caminho para a nascente. A linha fractura-se, a vida despossa-nos de nós-mesmos. Sim, tudo havia de ser mais simples...
Graça, gostei muito deste poema!
Um beijo, um bom fim-de-semana

Mïr disse...

Uma outra infância sábia de acompanhar "devagar,
o movimento do sol".

Beijo.

Véu de Maya disse...

Mas o sol poente também é maravilhoso...sobretudo se evoca o longíquo da infância...criança sempre eterna dentro de nós...o poema dá vida a estas belas emoções...no seu estilo tão personalizado.

abraço

dona tela disse...

Um espectáculo! Um espectáculo!

maria carvalhosa disse...

Brilhante, Graça. Simplesmente divinal.
Beijos (muitos).

Mésmero disse...

Quando os acontecimentos, as atitudes, os afazeres se tornam simples, a vida perde a graça.

Mas é como diz o Livro: após a tempestade, a bonança.

mariah disse...

... "na direcção das nascentes" -que Belo!


Beijo

Marinha de Allegue disse...

A pequena que levamos dentro non debemos de esquecela e darlle cabida, pq fortalece á adulta na que finalmente nos convertimos...

Unha aperta.
:)

maré disse...

"tudo podia ser mais simples"
.
.
.
então, eu guardaria a parte maior do silêncio quando o sol anuncia o meio-dia
e uma garça solitária sobrevoa a ria...

"Apesar da sede"

Bj, Graça.

maré

Elizabeth F. de Oliveira disse...

A lentura da vida, nos distancia das nossas nascentes e isso não significa que a sede tenha abrandado com o excesso de vivência.
Lindo, adoro esse poema!

Peter Pan disse...

Linda Amiga:
Possui uma sensibilidade poética invulgar e maravilhosa. Muito doce e terna.
"...O que quero dizer
acompanha, devagar,
o movimento do sol.
E são cada vez mais lentos
os passos que me levam
na direcção das nascentes.
Apesar da sede..."

Uma saudade expressa com beleza e encanto.
Perfeito, o seu versejar lindo. Puro.
Lindo numa pessoa linda.
Beijinhos de respeito, consideração e amizade.
Excelente!


p.pan

Multiolhares disse...

Tudo tem um começo e um fim, só que pos vezes já é tarde quando nos apercebemos
bjs

teresa p. disse...

são cada vez mais lentos
os passos que me levam
na direcção das nascentes.
Apesar da sede."
É a inocência que dá lugar à maturidade, à lucidez...
Lindo!
Beijo

Eduardo Aleixo disse...

Graça

Sede.
Nascente.
Regresso.
Urgente.
Mesmo com passo
lento..

Abraço.

EA

hfm disse...

Tão coincidentes! só que o não seria dizer de uma forma tão poeticamente sublime.

Ailime disse...

Muito real, autêntico, muito bem construído o seu poema!
Nunca é tarde demais para ir de novo beber às fontes da infância, o alento apetecido.
Beijinhos e votos de um bom domingo.

isabel mendes ferreira disse...

raínha....



-----------.....

Licínia Quitério disse...

Um lento retorno à fonte.
Muito belo, Graça.
Um beijo.

lena disse...

Poeta, que bom seria se tudo fosse mais simples. até a sede que se sente a uns passos da nascente...

tão longe que ficou a infância. distendo o olhar para a sentir dentro de mim...

como é bom lê-la, são sentires de encanto a sua poesia

obrigada pelo que partilha, querida Poeta Graça Pires

um abraço meu, onde a ternura existe

beijinhos

lena

Benó disse...

Apesar da infância estar longe há sempre um pouquinho de inocência que não desaparece.

Com um abraço amigo.

Seja Feliz!

JRL disse...

porque és mais mulher, Graça, porque és mais mulher. Um bj

© Piedade Araújo Sol disse...

pois é, tudo, podia ser mais simples, e por vezes somos nós que tudo complicamos.

um bom poema, como sempre.

fica um beij

doisolhinhos disse...

Caminhamos sempre com passos mais lentos ou não. Bebemos sempre quando temos sede, porque as nascentes não são todas iguais.

JPD disse...

O caminho faz-se caminhando e este teu roteiro é belíssimo, Graça
Bjs

http://cinzasdecarvalho.zip.net disse...

É, querida amiga, o passar do tempo, o dar-se a conhecer, a perceber, a captar fazem com que caminhemos a passos mais lentos, pois da inocência já despidos, sabemos o que virá, ao menos, intuímos ou deduzimos. Como sempre, belíssimo poema. Bj gde. Carinho. Bárbara Carvalho.

Parapeito disse...

...os passos até podem ser mais lentos...mas o que importa mesmo é caminhar....para chegar...

*****

maria m. disse...

a perda da infância, da inocência, é irreversível. outros caminhos nos aponta o sol.
gostei muito do poema.

bjos.

Gisela Ramos Rosa disse...

Maravilhoso poema!
Um grande abraço, Gisela Ramos Rosa