22.9.08

Reencontro com o Outono

Gérard Castello Lopes

Reencontro-me com o estado primitivo
do outono e deixo-me seduzir
pelo paradoxal destino das gaivotas.
Dentro das minhas mãos ávidas de ter
encalham navios vindos de todos os mares.
Depois exibo nos pulsos as marcas
de naufrágios inexplicáveis
enquanto percorro um cenário vazio
no mutismo de árvores que se despem
lentamente com o sopro magoado do poente.

Graça Pires
De Outono: lugar frágil, 1993

38 comentários:

© Piedade Araújo Sol disse...

um poema muito bom, e muito apropriado ao outono.

gostei muito assim como da foto.

fica um beijo

Paula Raposo disse...

Muito belo! Bem descrito o sentimento que me preside também no Outono! Adorei o poema. Beijos.

Huma Senhora disse...

simplesmente outonal...

hfm disse...

Coincidências ou empatias?

Das suas palavras ficaram-me tantas imagens - gaivotas no mês de Setº, o mar, os naufrágios e, acima de tudo, "o sopro magoado do poente".

soledade disse...

É curioso: nunca associei o outono ao mar... Também de alguma estranheza e da surpresa nascem encontros férteis entre o leitor e o poema.
Um beijo, desejando, como no poema, um bom reencontro com a estação que ora entra :)

d'Angelo disse...

Este oceano de poesia que transborda das suas mãos traz à tona belezas e tesouros inexplicáveis, Graça. Faço suas todas as estações do ano, para que as outras sejam contempladas com a mesma magia.

Sophiamar disse...

Os teus poemas são tão bonitos! O Outono inspirou-te. A mim, a nostalgia invade-me.

Beijinhos

Eduardo Aleixo disse...

É assim que as árvores fazem no outono: despem-se lentamente.
Não sei se o fazem com mágoa, mas se o vento do poente lhes conta dos naufrágios, então, sim, as árvores , embora em silêncio, olham para as marcas das tragédias nos pulsos do poema.
Abraço.
Obrigado.
EA

Black Angel disse...

vou voltar...
gosto

teresa p. disse...

Outono...
"árvores que se despem lentamente
com o sopro magoado do poente"
Tão simples, tão real, tão belo...
Beijo.

firmina12 disse...

uma das melhores surpresas dos últimos tempos

Susana Miguel disse...

esta fotografia é fantástica e até chega a causar uma certa pequenina aguazinha nos olhos. guardo um postal igual comigo há muito tempo.
também já tinha saudades de te ler:)
beijinho.

Vieira Calado disse...

Como sempre!
Muito bem escrito.
Bjs

http://cinzasdecarvalho.zip.net disse...

Como é bom "ler você"! Porque aqui: lemos você! Passa, com sua poesia e veia de inspiração, o estado do espírito, a aura dourada, a alvura da sua forma mais etérea! Como você é linda, minha amiga!
Há marcas de naufrágios inexplicáveis nos pulsos, mas o sangue que jorra desses ferimentos é de luz, porque a fez, em companhia de muitas outras coisas, o ser humano maravilhoso que é.

Poema que, como em todos os seus, transpira a alma feminina. Belíssimo!

Fez-me lembrar de um poema meu, intitulado: "Em Revoada", em que descrevo a trajetória das andorinhas a pedido de uma grande amiga, tendo inspirado-me também em nossa maravilhosa e enigmática alma feminina:

"(...) Tem algo de genético nessas aves que migram de região à outra; tem algo de genético em nós que migramos de lá para cá.
Andorinhas, somos, se isso não ocorrer, não sobrevivemos...
Partem em busca do alimento – espetáculo indescritível! E retornam ao cair da tarde. Atravessam a queda d’água para retornar ao ninho,como se uma fossem, como somos nós: singularmente uma!".

Beijo enorme, querida Graça!

Bárbara Carvalho.

Elizabeth F. de Oliveira disse...

Meu coração bebeu do outono, Graça, com o teu poema.
Lindo, como todas as estações das tuas palavras.
beijo no coração.

livia soares disse...

Querida Graça,
como sempre, aqui há muito o que ler.
Quantidade e qualidade. Deus te abençoe por ambos. Um dia ainda hei de ficar em dia com a ortografia do olhar... e obrigada pelas visitas preciosas ao meu blog.
Um abraço.

instantes e momentos disse...

Lindo post. Lindo Blog. Parabens,muito bom.
Maurizio

Teresa Durães disse...

gostei desta entrada no outono!

isabel mendes ferreira disse...

aqui se "exibe" palavras setembrinas.....como se o outono fosse um manto. de silabas assim. gloriosas e límpidas...


_____________abraço Graça.

Regina disse...

As gaivotas também cairão no outono? A melancolia, apesar de tudo, é inspiradora.

Beijinhos

São disse...

Com este post tão lindo, o Outono será mais suportável.
Um beijo.

Peter Pan disse...

Linda Amiga:
Este "Reencontro com o Outono" é fenomenal. Indescritível de beleza e sensibilidade majistral poética.
"...Reencontro-me com o estado primitivo
do outono e deixo-me seduzir
pelo paradoxal destino das gaivotas.
Dentro das minhas mãos ávidas de ter
encalham navios vindos de todos os mares..."

Simplesmete majistral. Sublime!
Parabéns sinceros.
É muito agradável lê-la.
Beijinhos amigos de respeito que a estimam e consideram imenso.

p.pan

maré disse...

reencontro com o poente
da terra

onde vive o arrepio de todas as emocões.

_______
sempre a emoção, serena, a presidir à palavra.

um beijo

maré

firmina12 disse...

Graça, andei à sua procura, por este mundo de silêncio e tudo o que encontrei seu me despertou o arrepio do espelho

heretico disse...

gosto das cores do teu belo poema. com que teces o Outono.

belíssimo.

beijos

Luís disse...

lindo...

excelentes imagens de Outono.

abraço Graça

(luis eme)

AnaMar disse...

Excelente "legenda" de uma fotografia que nem precisava de palavras.

Fiquei maravilhada por este espaço.
Vou voltar para respirar o ar puro, que por vezes me falta.
Abraço

batista disse...

talvez proveniente de um desses “... navios vindos de todos os mares”, cheguei. em “Seara alheia”, deparei-me com um poema belíssimo de Herberto Helder, que não conhecia. isso é que foi/é um presente de boas-vindas!... mas a viagem foi longa e “Apesar da sede”, tuas palavras/versos me encaminharam “na direcção das nascentes” (quanta beleza no teu versejar!). por fim, como os anos cobram o seu tributo, senti-me em casa no teu “Reencontro com o Outuno”. valeu a viagem! grato pela partilha.

deixo um abraço fraterno.

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá Graça, maravilhoso hino ao Outono!
Adorei a foto... Beijinhos de carinho,
Fernandinha

Paulo de Carvalho disse...

Prezada Graça,

Conheci algo de tua obra através de Maria Carvalhosa e, por meio desta, venho até este blog deixar-te um convite para hhttp://psdecarvalho.multiply.com/photos/album/19/Das_leituras_dominicais_e_um_pedido

Será uma honra caso aceites este pedido.

Carinhosamente,

Paulo de Carvalho

ps: caso este convite saia repetido, peço que me desculpe, pois tive que enviar repetidas vezes por total desconhecimento de como se comenta por aqui.

O Profeta disse...

Olhos brilhantes maré tardia
Cabelos rebeldes em desalinho
Pés descalços no, frio barro
Um berlinde atirado ao caminho

Um bando de alegres pardais
Ou um domador de tempestades
Apenas um pássaro charlatão
Dividindo o pão em metades


Vem mergulhar com os Capitães do Calhau


Mágico beijo

dona tela disse...

Aqui há gato!

Beijinhos.

doisolhinhos disse...

Poesia! Palavras!
As suas!
Às vezes deixam-me pensativa pelas realidades expressas.
Outra vezes fazem-me divagar... fantasiar...
Mas sempre pela positiva.

Um beijinho

adelaide amorim disse...

Mais um belo poema, Graça, a mostrar que o tema ainda tem faces novas, apesar de tudo.
Beijo.

Licínia Quitério disse...

É.Sempre ficam nos pulsos as marcas dos naufrágios..

Um beijinho, Graça

maria carvalhosa disse...

Querida Graça,
O Outono parece surpreender-nos sempre, como se fosse o primeiro das nossas vidas...
Lindo poema!... Tal como o Outono, cada um dos teus poemas continua a conseguir surpreender-me,como se do primeiro se tratasse!

P.S. Desculpa, amiga, mas aproveito para te fazer mais um pedido: por favor tem em atenção o que te foi solicitado pelo Paulo de Carvalho. Trata-se de uma iniciativa humanitária verdadeiramente interessante, do ponto de vista cultural, que tende a combater a exclusão de deficientes visuais que, de outra forma, nunca poderiam ter acesso à beleza da poesia, em particular, e da escrita, em geral.

Para o caso de não estar acessível o endereço que ele aqui te deixou, passo a indicar o site: http://psdecarvalho.multiply.com/

Uma vez no site, entra, por favor, nas fotos, num post designado "Leituras dominicais e um pedido". Já agora, se lá fores, aproveita para visitar o blogue dele, que é de qualidade superior.
Muito obrigada, amiga.
Beijo terno.

maria m. disse...

alias-te à natureza no seu outono como tempo de partida, de ausência, de mágoa.

beijos.

Assis de Mello disse...

Fabuloso poema, Graça.
Você é um dos poetas (meninos inclusos) que mais me espantam e encantam. Este seu outono é uma viagem a bordo da própria pele. Lindo filme.
Que suas gaivotas e minhas narcejas nos incitem a continuar voando.
Um beijo,
Chico