13.3.08

Todos os contrastes

Cleri Biotto


Coloco, ao alcance dos lábios, todas as convicções
e desdobro as palavras sobre a noite.
Regresso à caligrafia indomável dos poemas,
para fixar as imagens que se adivinham
nas entrelinhas daquilo que acontece sem aviso.
Depois, deixo, no coração, à deriva, todos os enredos
que se revezam: inevitáveis, aleatórios, urgentes.
E, na minha mão direita, onde as veias engrossaram
como rios, circulam, agora, todos os contrastes.


Graça Pires
De Reino da lua, 2002

25 comentários:

© Piedade Araújo Sol disse...

e é nas entrelinhas que se descobe a magia da poesia...

beij

Carlos Ramos disse...

Poderia dizer muita coisa, mas tu já as dizes melhor ou o poema por ti, continuadamente ... belo.

Pena disse...

Simpática Amiga:
Um texto indescritivel remetido a uma caligrafia indomável por ser doce, terno, magnífico.
As palavras saem desdobradas em brilhantismo, preciosismo que encanta num talento visível e é real. Mesmo muito real, franco, dialogante e aberto.
Puro e pleno de deslumbre.
Parabéns! Adorei com sinceridade.
Talvez, os contrastes de si adquiram um enternecedor e majistral encanto e ternura que merece. Por completo.
Beijinhos de amizade pura e de consideração imensa
Com respeito

pena

herético disse...

poemas indomáveis. sempre!

muito belo.

Luis Eme disse...

Contrastes que se tornam irmãos, dentro dos teus poemas, Graça...

Beijos

Mar Arável disse...

Que bela essa mão que escreve

maria carvalhosa disse...

Lindo, lindo, Graça.
Beijos .

Menina_marota disse...

"...nas entrelinhas daquilo que acontece sem aviso."

E nos contrastes, acontece a Vida...

Deixo um abraço carinhoso e a conviação de que adoro ler a sua poesia!
;)

O Profeta disse...

O Sol abandonou o céu
A Lua ironiza no celeste
Soltas perversas vontades
Cruzam a tua vida agreste


Convido-te a partilhar a minha visão da forma em
como a vida às vezes é perversa para algumas mulheres…

Bom fim de semana


Doce beijo

Elizabeth F. de Oliveira disse...

Olá, Graça!
Esse poema te revela em momento sublime: o da criação.
Divina, como sempre.

Anónimo disse...

Lindíssimo este poema.
Beijos.

Teresa P.

Menina_marota disse...

Bom dia...
Neste apanhecer um pouco chuvoso, apeteceu-me vir ler a sua poesia.

Um abraço carinhoso e bom fim de semana ;)

Sophiamar disse...

Amiga!

Hoje, dia 15 de Março, estou muito ocupada. Vou a correr abraçar e beijar a Primavera.

Mil beijinhossssssss

São disse...

Ler nas entrelimhas por vezes desvenda o mistério...
Abraço com desejo de Primavera perfumada.

Lia Noronha disse...

Graça: esses intermináveis contrastes...nos levam ao ponto mais forte da questão...Bjus bem carinhosos pra ti nesse fim de semana.

Lia Noronha disse...

Obrigada pelo seu carinho no meu Cotidiano.

maria m. disse...

da elaboração da escrita, da criação...

poema fantástico. beijo.

Licínia Quitério disse...

E não só na mão direita. Também por dentro do peito os rios engrossaram.
Desculpa o atrevimento das considerações (cogitações)que por aqui vou deixando. Não tentam acrescentar coisa alguma que os teus poemas são inteiros.

Obrigada.

alice disse...

e como poderia a beleza avisar: "atenção, vou para dentro do seu poema"? assim, é sempre uma surpresa, sempre uma alegria. um grande beijinho, graça.

Teresa Durães disse...

deixar escorrer as palavras

hfm disse...

Os contrastes das derivas. Tão belo!

Paula Raposo disse...

Gostei imenso de te ler...beijos.

TINTA PERMANENTE disse...

contrastes de ditongos, consoantes e vogais, todos juntos a um rio que nos sai da alma, não é?...
Perfeito, amiga!


Abraços!

Graça Pires disse...

Obrigada a todas e a todos pelas palavras e pelo carinho. Obrigada mais uma vez à minha amiga Cleri que do Brasil, me enviou este desenho, que fez para mim.

CNS disse...

Um pulsar que se desenha na folha. Uma compulsão de sentimentos traduzidos num pingar de tinta, feito poema...