21.6.07

Para tornar legível a emoção

Édouard Boubat

Agora, que uma luz difusa me fascina
retenho a idade em que não ousava
fazer do coração um lugar de conflito.
Escoa-se, de meus lábios,
sem aviso prévio,
um excessivo odor a maresia,
como se o verão atasse em meu pescoço
a sombra das dunas e todos os ventos
afugentassem a inevitabilidade da morte.
É de musgo, a vertigem
onde demoro as mãos,
para tornar legível a emoção.


Graça Pires
De Não sabia que a noite podia incendiar-se nos meus olhos, 2007

14 comentários:

A.S. disse...

Na maresia que se escoa pelos teus lábios
começa a vertigem da insolúvel presença
de um coração que ousa
para tornar legivel a emoção...


Um beijo!

Luis Eme disse...

A maresia, as sombras, os ventos...

muita emoção num poema só...

Teresa Durães disse...

a morte existe (e ponto final). as emoções são mais fortes do que a existência da morte. Eu sou. Sendo não tenho medo das emoções e menos ainda da morte (mais das angústias).

Viver sem reter seja o que for é primordial mesmo que para isso me culpem de frontal.

um beijo

AF disse...

também gostei.

Teresa Durães disse...

olá, hoje a correr para dizer que deixei uma nomeação no meu blog

beijos

Teresa Durães disse...

agora vim dizer que afinal são duas...

boa tarde

Teresa Durães disse...

nunca é necessário nomear ou aceitar. obrigada pelo recado.

boa tarde

soledade disse...

Gosto deste modo delicado e reflexivo que tem a sua poesia, de pensar sobre o tempo. Também a mim me fascina isto de sermos criaturas em trânsito e seres da memória. Ficaram-me os olhos nos 3 primeiros versos do poema. Fiquei a pensar que a experiência nos liberta. Que temos tantas mais peias mentais e emocionais na juventude!
Um beijo

jorge vicente disse...

a emoção nunca é legível nem o amor

somente nas sensações da alma repousa o conhecimento

um abraço
jorge vicente

A.S. disse...

Passei para te reler...

Um beijo!

maria carvalhosa disse...

Como tornar legível a emoção? Tu, Graça Pires, com essa arte maior de escrever poesia, consegues milagres destes!

Um beijo com admiração e carinho.

Marcela disse...

Graça, obrigada por suas palavras. Seus poemas, de alguma forma, me fazem ficar mais perto da minha mãe, que assim como você, também era poeta. Ela já se foi e hoje convivo apenas com a saudade e com suas palavras. Foi bom ter vindo até aqui. Permite que eu reproduza um de seus poemas no meu blog? Espero que sim. Beijo grande!

Graça Pires disse...

Minhas amigas e meus amigos, estou de volta ao computador. Agradeço a todos as visitas e os comentários. Gosto de voltar a este convívio.
Um beijo a todos.

Ana Isabel disse...

Cheguei até si e ao seu blog através do Insónia, e gosto muito, tanto que, atrevidamente, já coloquei alguns poemas seus no meu blog. Espero merecer a sua autorização, caso contrário, retirarei, respeitosamente. Abraço