21.5.07

Em seara alheia


turvam-se os olhos no amor
como se turvam
na morte

há uma luz
que treme
e que se apaga
rendida à sensação
mais forte

ama-se
morre-se
tão simplesmente

no amor
como na morte
é tudo
uma questão de tempo
uma questão de sorte


Y. K. Centeno
In Perto da terra. Lisboa, Presença, 1984

5 comentários:

Poesia Portuguesa disse...

"...ama-se
morre-se
tão simplesmente..."

... e de coisas simples, mas tão importantes, quando verdadeiras se faz Vida.

É sempre um prazer enorme usufruir desta partilha que nos oferece.

Um beijo e boa semana ;)

Menina_marota disse...

Gostaria de saber se o seu novo livro já está à venda, procurei-o aqui pelos meus lados e ainda não o tinham.
Será que ele poderá vir`por correio à cobrança? É que moro longe do centro e dava-me mais jeito receber o livro por correio...

Um beijo ;)

Graça Pires disse...

Obrigada Menina pela sua visita e pelos seus comentários. Quanto ao meu novo livro que se chama "Não sabia que a noite podia incendiar-se nos meus olhos", é edição de autor e por enquanto só está à venda em livrarias de Lisboa. Se quiser mandar-me a sua morada terei todos o gosto em lhe fazer chegar um exemplar. O meu mail é:gracampires@hotmail.com
Um beijo.

Paula Raposo disse...

Uma questão de sorte...sim.

Graça Pires disse...

Paula: é mesmo. Um beijo.