8.5.07

Aquela rosa branca


Escuta estes cânticos de maio
a espreitar a cidade
e traz-me, outra vez,
aquela rosa branca
desenhada nos teus ombros,
para que eu a exiba no penteado.
O prazer perturba os deuses

e devolve-nos um aroma da infância:
leite morno vertido sobre a pele.


Graça Pires
De Conjugar afectos, 1997

3 comentários:

maria carvalhosa disse...

Olá Graça,

belo post:
pureza, ingenuidade, o carinho dos tempos do desvelo. Da infância sem retorno fica a memória.

Um abraço.

Graça Pires disse...

Muito obrigada maria carvalhosa pela visita e pelo seu comentário sensível. Um abraço com "ternura".

Teresa Durães disse...

Maio mês do envolvimento; germinação da terra.

Numa voz simples a cantar a vivacidade.

boa tarde