25.5.07

O colo côncavo de afectos



Antecipo o sobressalto de um estio antigo.
Vislumbro uma casa para agasalhar a infância.
As paredes repletas de lembranças.
A mãe : o colo côncavo de afectos.
Labirinto alagado de ternura
no alvoroço da memória.
Águia azul na linguagem dos precipícios.
Limite entre a sede
e a limpidez de qualquer fonte.


Graça Pires
De Labirintos, 1997

7 comentários:

Paula Raposo disse...

'O colo côncavo dos afectos'...a ternura onde tudo começa...beijos.

sonhadora disse...

Os afectos! Quem não precisa deles?
Palavras belas!
Beijinhos embrulhados em abraços

maria carvalhosa disse...

Que lindo, Graça. "O colo côncavo de afectos"... expressão maravilhosa, da qual eu nunca me lembraria, mas que tão bem sintetiza o espírito do poema.

Um beijo afectuoso.

Teresa Durães disse...

e fazem tanta falta!

beijo

Graça Pires disse...

Obrigada Paula, Sonhadora, Maria e Teresa pela vossa visita e pelo vosso afecto. Um beijo.

Um Poema disse...

Obrigado pela visita e pelas palavras de simpatia.

Gostei deste "colo côncavo de afectos".
Vou adicionar-te para poder voltar mais facilmente.

Um abraço

Menina_marota disse...

"O colo côncavo de afectos"

onde tudo começa...a ternura... o carinho, todos aqueles sentimentos indispensaveis à Vida!

O meu afecto por si, receba-o por favor.