16.8.21

Conhecia todos os rios navegáveis

Dorothea Lange 

Conhecia todos os rios navegáveis 
e a puríssima luz do silêncio 
na solidão das montanhas. 
Detinha no rosto cidades interiores 
com casas à beira da estrada. 
Cumulava nas medas de palha 
a espuma de incontrolados desejos. 
Da sombra de cada árvore 
fazia a sua mesa, a sua cama, a sua morada. 
Todos lhe ignoravam o nome. 
À sua passagem fugiam as crianças, 
ladravam os cães, agitavam-se as mulheres, 
escondiam-se os homens. 
Um suspeito luzimento lhe invadia o olhar 
como se a teimosia dos sonhos o acossasse. 

Graça Pires 
De A solidão é como o vento, 2020, p. 57

58 comentários:

brancas nuvens negras disse...

Um bonito poema com um tema original.
Bom Dia, um abraço.

" R y k @ r d o " disse...

A solidão pode ser dura como um deserto.
.
Cumprimentos
.
Pensamentos e Devaneios Poéticos
.

Rita Freitas disse...

Sempre bom e inspirador passar por aqui.
Saio com leveza na alma.
Um beijinho

Os olhares da Gracinha! disse...

Uma vida que carrega no seu caminhar! 👏👏👏... Boa semana ⛱️

chica disse...

Linda poesia e há tipos assim que passam pela vida, ninguém nada deles sabe embora eles tanto saibam... Bela Imagem! beijos, tudo de bom,chica

Marta Vinhais disse...

Há rostos que fogem do nosso olhar, do nosso tempo... escondem-se nas suas próprias memórias, mas conhecem todas as faces da vida e do Mundo...
Obrigada pela visita...
Beijos e abraços
Marta

baili disse...

a splendid poetry dear Grace

i found within it a struggle ,sorrow ,loneliness and dreams yes dreams that provoke us to walk further no matter how long,lone and challenging the path is .

thank you for the sharing the glory of spectacular art you have within you my friend!
hugs and blessings !

Mário Margaride disse...

Olá, amiga Graça!
Um regresso em grande, com um belíssimo poema!
É uma realidade para muitos onde a solidão é a sua companhia.

Gostei muito!

Votos de uma excelente semana!

Beijinhos!

Mário Margaride

http://poesiaaquiesta.blogspot.com

Teresa Almeida disse...

É profunda esta leitura de um transeunte que afasta quem se cruza no seu caminho, mas o poeta consegue vislumbrar a luz do olhar, o sonho que o comanda.

Bom recomeço, querida Graça.

Um beijo. :)

lis disse...

Devíamos criar essa capacidade de olhar outros caminhos, outras cidades, outras moradas, outros desejos como uma reinvenção da vida .Muitas vezes também a salvação.
A solidão pode ser a companhia que ajuda insistir nos sonhos.
Sempre singular sua poesia, Graça
abraços e feliz semana.

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Excelente poema de que gostei.
Um abraço e boa semana.

Andarilhar
Dedais de Francisco e Idalisa
O prazer dos livros

São disse...

<Um excelente poema, Graça!

Beijinho de boa semana e feliz regresso :)

Maria Rodrigues disse...

Que importa o que o outros pensam de nós, se nos sentimos livres e de bem connosco próprios.
Um poema sublime.
Beijinhos

Ailime disse...

Boa tarde Graça,
Um poema muito belo que me remeteu a tempos idos em que as aldeias eram percorridas por pedintes a quem até os cães acossavam!
Pessoas sem terra, sem nada, mas com esse brilhozinho nos olhos que lhes acolhia os sonhos.
Um beijinho minha Amiga e Enorme Poeta.
Desejo-lhe uma boa semana com muita saúde.
Ailime

Jornalista Douglas Melo disse...

Amiga Graça,
“Os rios navegáveis”, nos levam ao mar das poesias de excelência:

"O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia / Mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia / Porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia." (Versos do poeta português: “Alberto Caeiro, heterônimo de Fernando Pessoa”).

Beijos e uma boa semana, assim, como são boníssimas as tuas poesias.

Cidália Ferreira disse...

Um poema poderoso! Amei :)
.
O sonho realizado ...
.
Beijos e uma excelente semana, quer seja de férias ou de trabalho.
Cheguei 🌻

Lucinalva disse...

Boa tarde, Graça
Lindo poema, bjs querida.

carlos perrotti disse...

Outro grande poema para seu retorno, Graça. Senti saudades da sua poesia, amiga, e esses versos tão pessoais que me fascinam: "...a espuma de incontrolados desejos", por exemplo.

Abrazo grande. Cuídese bem, Poeta.

JUAN FUENTES disse...

La cultura es tu mundo,tu perteneces al sector de los privilegiados

José Carlos Sant Anna disse...

Bom tê-la de volta, Graça, depois de um recesso voluntário para aproveitar o verão. Como disse a amiga Teresa, um belo recomeço, na luz de um andarilho, de um sonhador, que muito nos ensina se aprendermos a observar o que nos circunda!
Um beijo, minha amiga!

Carlos Augusto Pereyra Martínez disse...

Traía en su estampa el rigor de la vida. UN poema con gran fuerza entre lo legendario y lo mítico. UN abrazo, y grato leerla de nuevo.
Carlos

Tais Luso de Carvalho disse...

Graça, querida amiga, que lindo, forte, poema para pensar, refletir.
Retornou em grande estilo!

"À sua passagem fugiam as crianças,
ladravam os cães, agitavam-se as mulheres,
escondiam-se os homens."

Uma feliz semana pra você, cuide-se bastante,
Beijinho, amiga.

alberto bertow marabello disse...

La vita del sognatore può essere davvero solitaria perché vede cose che gli altri non vedono.
Buona settimana, amiga Poetisa.
Con grande affetto.
Un bacio

Teresa Isabel Silva disse...

Bonitas palavras!
Aproveito para desejar uma boa semana!

Bjxxx
Ontem é só Memória | Facebook | Instagram | Youtube

Vanessa Vieira disse...

Olá!
Que poema belo, tem um ritmo contagiante e traz uma reflexão muito bonita!
Gratíssima pela partilha!

Grande Abraço!

J.P. Alexander disse...

Bello poema. te hace pensar . Te mando un beso

solfirmino disse...

Conhecer todos os rios devia fazer alguém uma espécie de rei, ter estátua em praça pública... mas aqui o personagem não tem nome; é solitário e todos se escondem dele. Triste.
Bem-vinda de volta, amiga.
Beijinho e ótima semana

Marco Luijken disse...

Wonderful all these small stories. Wonderful to read these words.

Many greetings, Marco

Isa Sá disse...

Bonito poema.

Isabel Sá
Brilhos da Moda

ManuelFL disse...

A solidão é como o vento, mas, recorrendo às palavras da nossa poeta mais querida, nada nem ninguém podia impedir ao andarilho que:

Um suspeito luzimento lhe invadisse o olhar
como se a teimosia dos sonhos o acossasse.

Beijos

A.S. disse...

... e ainda um dia irão cantar
as trovas que trás no peito,
cobri-lo de trevos e estrelas
e fazê-lo seu eleito!

Uma boa semana para ti minha amiga Graça, com muita saúde.
Beijos.

partilha de silêncios disse...

Belo e profundo.
Há muitas coisas que preferimos não saber porque, ao não saber, é como se não existissem.
O que não sabemos não pode afetar-nos, pensamos nós.
Mas a verdade elas continuam lá e, de uma forma ou de outra, influenciam a nossa vida.
Uma semana Feliz

Megy Maia disse...

Boa noite, minha querida Graça!
Um poema que nos faz viajar através das suas palavras!
Continuação de uma boa semana!
Beijinhos recheados de gratidão!
Megy Maia💙💝💙

Anete disse...

Um ser com muitas experiências e imensa solidão. Li e reli e refleti em cada verso.
Beijinhos e uma boa noite, Graça...

Gracita disse...

Oi Graça
Como é belo e profundo esse seu voo poético minha amiga
Fazer descobertas, desvendar os mistérios... sempre um fascínio
Beijinhos

Pedro Luso de Carvalho disse...

Bem-vinda, amiga Graça, depois de suas merecidas férias!
Você volta agora, poeta, para recomeçar suas postagens com esse belo e forte poema.
Obrigado pela partilha,
Um beijo, amiga, uma ótima quarta feira.

Luma Rosa disse...

Oi, Graça!
A persistência nos sonhos é que faz o olhar nunca se apagar!
Amei a forma como conduziu os versos trazendo imagens marcantes desse ser navegante!
Beijus,

Fá menor disse...

Lindíssimo!

Acho que há quem tenha um certo medo das pessoas livres.

Beijinhos.

Gaby Soncini disse...

Desejo sempre uma bela navegação, mesmo por rios que não se conhecem, e muitas vezes somos apenas um o pequeno fio de água na floresta, longe dos grandes mapas, li isso em um poema e nunca me esqueci, e seu poema me fez lembrar.

Um imenso abraço,
Gaby.

© Piedade Araújo Sol disse...

E por vezes muitas vezes, carregam em si muita da sabedoria do mundo.
No entanto, são seres solitários que ainda conseguem ter sonhos.
E isso ninguém nem nada os pode tirar.
Gostei bastante deste poema.
A foto foi muito bem escolhida!
Continuação de uma boa semana com paz e saúde.
Beijinhos Amiga Graça.
:)

Agostinho disse...

Cara Amiga, Graça Pires,
que poema lindo, pintado, suponho, dum sonho da vida real.
Se esse luzimento que refere inquetava outros, que se arredavam da sombra,
a ele mais inquetaria.
Aí uma liturgia de fuga da realidade?
Quase apostava, porém, o meu pai dizia-me: Filho, teima mas não apostes.

Espero que tenha tido férias reparadoras e fecundas, para prosseguimento do seu destino poético, tão belo e rico em sentimentos.
Um beijo grato.

Anónimo disse...

Há algumas primeiras frases que são perfeitas:

"Conhecia todos os rios navegáveis"

teresa p. disse...

Poema forte e profundo sobre a solidão. Um homem que passa pela vida sozinho e desemparado, evitando e sendo evitado por todos. No entanto:
"Um suspeito luzimento lhe invadia o olhar
como se a teimosia dos sonhos o acossasse."
Beijo.

Lúcia Soares disse...

Boa noite amiga bj

Roselia Bezerra disse...

Boa noite de paz, querida amiga Graça!
A solidão é fera...
O brilho do olhar revela sua pureza de alma,independente da vida que lhe negou muito.
Lindo poema!
Tenha dias abençoados!
Beijinhos com carinho de gratidão

Rainbow Evening disse...

poem about nature.... love it

betonicou disse...

Oi Graça! Retratou a solidão numa radiografia espetacular. A solidão é assim mesmo: Cruel e mal compreendida pelos outros. À vezes, até pelos outros solitários. Texto maravilhoso e reflexivo. Grande beijo.

manuela baptista disse...

Chamávamos-lhe o Homem do saco, mas não fugíamos dele em crianças. Talvez por esse luzimento no olhar e porque acreditávamos em sonhos.

Muito bonito, Graça!

Toninho disse...

O titulo diz tudo querida amiga.
A solidão em meio á multidão é como vendaval, que tudo arrasta desde a dignidade até a autoestima. Assim vivem os seres invisíveis na sociedade e outras vistos além da pessoa humana inserida naquela maltrapilho.
Que tudo esteja bem com você.
Beijo amiga.

Jaime Portela disse...

Um retrato perfeito dos sem abrigo de outrora que pululavam pelas aldeias.
Excelente poema, os meus aplausos.
Bom fim de semana, amiga Graça,
Beijos.

A Paixão da Isa disse...

como sempre tao bom ler aqui bravo bjs saude

Olinda Melo disse...


Querida Graça

Um poema que conta tão bem os intrincados caminhos
de uma alma solitária. Afastado da sociedade
sem apoio solidário, amizades ou amor a que
recorrer.
Já lhe tenho dito minha amiga, profunda e sensivel
é a sua escrita.
Beijinhos
Olinda

MARIPA disse...


Palavras que fazem doer...a "luz do olhar" amaciou por instantes, o quanto de profundo tem o seu excelente poema.

Nunca me esqueci do nosso encontro, gostei tanto! A idade não perdoa... e o blog também não, pois apagou-me a lista de endereços.

Um abraço com muito carinho, querida amiga Graça.



Humberto Maranduva disse...

É bom revê-la, Graça Pires.
Este seu poema afirma-se poderosíssimo, como se a morte da linguagem se transfigurasse na essência polissémica do(s) sentido(s).
Abraço.

Mário Margaride disse...

Olá, amiga Graça!
Passando por aqui, relendo este excelente poema, que muito apreciei, e desejar um feliz fim de semana com muita saúde!
Beijinhos!

Mário Margaride

http://poesiaaquiesta.blogspot.com

Andrea Giovanna disse...

Que lindo poema. É como viajar em cada frase. Obrigada, bjs

Ana Freire disse...

E os renegados... cada vez serão mais... neste mundo de preconceitos e extremismos... com crises humanitárias crescentes...
Um poema belo, e profundo, com a sensibilidade, que sempre a caracteriza, Graça! E que nos faz pensar na história... e percurso de vida, bem sofrido de tais pessoas...
Um beijinho, Graça! Tão bom tê-la de volta, com a sua apurada visão do mundo... e estimando que tenha tido excelentes e retemperadoras férias!
Continuação de um óptimo domingo!
Ana

Pedro Luso de Carvalho disse...

Passando aqui hoje, querida amiga Graça, para lhe desejar uma excelente semana.
Cuide-se, um beijo.