7.12.20

Em seara alheia



A Queda Oca no Silêncio 

Ignoro a vida 
das coisas quando 
o olhar me dói, 
apressada que vou 
para chegar a tempo 
do nascimento das sombras. 
Cantam e esvoaçam os pássaros, 
espreguiçam-se no verde as ondas 
ou adormece o mar, cansado 
de incestuosos arremessos 
na inocência da areia? 
Não sei. 
Ai, como queria permanecer 
no meu lado de dentro 
sempre que de ti me ausento, 
abeto sem mácula, 
poema, 
casa à beira das chuvas 
de amoras no silvado. 
Explica-me a queda oca 
no silêncio provável do nada. 
Como é o grito da árvore?

Lília Tavares
In: A timidez das árvores. Modocromia, 2020, p. 66. Col. Mãos de Semear. Livros Lília Tavares, v. 1

61 comentários:

chica disse...

Lindo poema e questionamento ao final...

Que tua semana seja linda igualmente! beijos, chica

Marta Vinhais disse...

Nas noites de tempestade... quando o Vento castiga o Mundo.... a natureza grita...
E o silêncio acaba por revelar tudo...
Interessante o poema....
Beijos e abraços
Marta

" R y k @ r d o " disse...

Poema brilhante e fascinante de ler. Também me interrogo: Como será mesmo o grito da árvore, quando sente o cair das suas folhas nos difíceis dias de Outono?
.
Feliz semana
Abraço

Gaby Soncini disse...

Que poesia mais bela cheia de imagens musicais. Permanecer no lado de dentro, ouvir as árvores, muito linda!

Beijos!

Arthur Claro disse...

Linda poesia, meus parabéns pela criatividade.

Arthur Claro
http://www.arthur-claro.blogspot.com

Gracita disse...

Um poema tão expressivo que nos fez refletir.
Será mesmo possível ouvir esse grito?
Ou quem sabe mergulhar no silêncio?
Pensando...
Lindíssimo poema minha amiga
Beijinhos

fatimawines disse...

Olá, Graça!

Parabéns por trazer a lume este lindo poema. Ecológico, verde, com um pouco de "musgo" e refrescante.
beijo

Morena flor disse...

LINDÍSSIMA POESIA !
ABRAÇOS... BOM DIA.

Ailime disse...

Boa tarde Graça,
Um poema profundo e belo de Lília Tavares.
Como seria o grito da árvore, da natureza, se pudessem expressar as atrocidades de que são vítimas.
Uma partilha, sempre, com a sua enorme generosidade, minha Amiga e Enorme Poeta.
Beijinhos e uma boa semana, com saúde.
Ailime

Maria Emilia B. Teixeira disse...

Bom dia Graça Pires.
Algumas pausas fazemos dentro da gente ou dentro de um livro de filosofia para entender a vida.
Uma boa semana. Bjs.

anamar disse...

Querida Graça,
obrigada pela tua visita e pela tua poesia.

Ando afastada. A vida e as vontades alterando como era de esperar.
Tenho caminhado para a Figueira, a minha mãe começou a precisar de mim, e penso que já não pode prescindir. Estou por cá há duas semanas, e penso que agora , as duas, será entre o aí e cá. Aos 92 anos, quase 93, tem-se aguentado lindamente sõ, como preferiu, pois é demasiado independente, mas chegou a hora de deixar que tome conta dela.
Está-me a saber bem estar por aqui a necessidade de mudar de poiso coisa de que me não tinha apercebido . Só os abracinhos e conversas com meus pequenitos me fazem falta.

Bom dezembro também para ti. O meu, é de preocupações … Meu filho, piloto na TAP …. (????)4

Abracinho apertado, tudo de bom,
Ana

Isa Sá disse...

Bonito poema.

Carlos Augusto Pereyra Martínez disse...

En el poema se siente el alma ahuecada del árbol, que en la propia debe tener esa hoquedad de estos versos. Un abrazo. Carlos

Lília Tavares disse...

Querida Graça, muito grata pelo poema do meu último livro aqui, neste lugar emblemático e de culto à Poesia.
Grande beijinho.

Lília

alberto bertow marabello disse...

Che belli gli alberi, amica mia.
Anche quando urlano hanno forti radici nella terra e riparano i viandanti e accolgono gli uccellini.
Buona settimana piena di salute anche a te. È bello trovarti e leggerti, da me o da te.
Um beijo

teresadias disse...

Como será mesmo o grito da árvore?
Obrigada querida Graça por nos presenteares com este belo poema de Lília Tavares.
Sabes que gostei (+) de o ler no estilo de texto corrido?
Beijo minha amiga. Protejam-se bem.

carlos perrotti disse...

Adorei essa poeta tan íntima que provoca identificação. Muito obrigado por revelá-la. Vou procurar mais dela.

Abraço grande, Graça. Cuídese muito, Poeta.

Luiz Gomes disse...

Boa tarde minha querida amiga, poetisa e escritora Graça. Obrigado pelo poema maravilhoso. Infelizmente aqui no Brasil as árvores estão gritando por socorro. Graças a Deus o Rio de Janeiro preserva um pouco da sua Mata Atlântica. Boa segunda-feira.

Tais Luso de Carvalho disse...

Belo poema trouxeste, querida Graça, na verdade, o mundo precisa de mais poesia, de mais afetos, de mais calor humano.
Beijo, minha amiga, cuida-te bem.
Uma boa semana.

JUAN FUENTES disse...

Tu aamas a la literatura,pero amas mas a la naturaleza

bea disse...

Fico sempre abobalhada quando leio um poema. Pergunto-me como pode alguém escrever apenas com beleza.

eli mendez disse...

Bendito ese árbol y la naturaleza toda que es capaz de inspirar los versos del poeta!!!
Una poesia bellísima Grace que nos envuelve de sensaciones de principio a fin... abrazo enorme y bonita noche de lunes

lis disse...

A 'queda oca do silêncio'_ esse titulo já diz muito da sensibilidade da esritora/poeta Lilia Tavares, obrigada por traze-la aqui nessa seara cultivada com muita beleza e talento.
Gostei muito.
meu abraço e uma semana feliz, Graça

Teresa Almeida disse...

O vazio é inquietante, mas Lídia Tavares preencheu-o muito bem. Direi que o poema é entusiasmante.

Beijos e aplausos às duas amigas.

solfirmino disse...

Que lindo poema amiga. Tenho lido alguns poemas desse livro no Facebook. Parece primoroso.
"Como é o grito da árvore?" Que beleza de questionamento.
Beijo e ótima semana

Diná Fernandes disse...

Poema sensível. Que bela partilha amiga Graça, não conhecia a autora, vou ler mais sobre a mesma.
Agradecida pela visita e leitura querida.
Bjs e boa continuação de semana.

bea disse...

os silenciosos gritos das árvores de braços imóveis e que se quedam em invernos desesperados, a sós com a paisagem.

Juvenal Nunes disse...

A queda, mesmo que insonorizada, dói sempre nos contornos mais sensíveis da alma, copa da árvore que é o nosso corpo.
Abraço poético.
Juvenal Nunes

Olinda Melo disse...


Querida Graça

Bom dia

Belo poema nos traz da autoria de Lila Tavares,
poetisa que não conhecia. Fui ver mais sobre ela e
gostei muito.
A queda no silêncio é terrível, a menos que
o façamos nosso e o transformemos em
nosso confidente.

Bom feriado.
Beijos
Olinda

Maria disse...

uma excelente dia!

baili disse...

splendid poem as always dear Grace !

nature oh yes i often wonder what else would have existed to inspire writers and poets if there was no nature
i loved the intensity of this sensitive piece poetry my friend though i know after using translator i cannot be able the richness of your blazing harmony of expressions and words which makes me sad :(

more blessings!

São disse...

Parabéns pela generosidade com quem escreve e com quem lê!

Beijinho, minha querida, bom feriado

SOL da Esteva disse...

Parabéns pela bonita escolha. Todos necessitamos de boa Poesia.
Um abraço e o agradecimento pela nota deixada na 1ª Edição do Café Poético - Mês de Novembro, no Sítio da Gracita.

SOL da Esteva

Marco Luijken disse...

Hello Graça,
A nice piece of that story. Very nice.

Big hug, Marco

Manuel Veiga disse...

aprecio a poesia de Lilia Tavares.
e o seu evidente talento.
este poema é muito bom.

gostei muito-
excelente escolha

beijo, querida Poeta

Ana Freire disse...

Mais um partilha notável, que nos transporta para um universo de questionamentos e introspecções... e de uma imensa sensibilidade!
Gostei imenso, Graça! Deixo um beijinho e votos de continuação de uma excelente semana, e de um óptimo feriado!
Ana

A.S. disse...

Grato por partilhar um belissimo poema da Lília Tavares.
Excelente!
O grito da árvore é exatamente igual ao som do machado que a fere de morte!

Um resto de semana feliz e com muita saúde. Cuide-se bem!
Um abraço para si outro para a Lília!

Ana Tapadas disse...

Se me dissesses que era teu, eu acreditaria...estão lá os semas dominantes: os pássaros, a noite, a sombra...a sensibilidade.
Gostei muito!
Beijo

Vanessa Casais disse...

Adoro as suas escolhas e partilhas.

Boa semana Graça e votos de muita saúde.

Beijinhos
Vanessa Casais
https://primeirolimao.blogspot.com/

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Como será este grito?
Fiquei a imaginar...

Abraço, minha amiga querida...

Aluísio Cavalcante Jr.

Alécio Souza disse...

Olá querida Graça,

Boa pergunta, como é o grito da árvore? No silêncio a imaginação os pensamentos afloram e a natureza segue o seu curso. Lindo poema!

Um beijo!

Pedro Luso de Carvalho disse...

Olá, querida amiga poeta!
Gostei muito do poema de Lilia Tavares que não a conhecia.
Um belo poema, parabéns a ela e a ti pela partilha.
Uma ótima semana, com saúde.
Beijo, amiga Graça.

José Carlos Sant Anna disse...

Que belo trabalho de linguagem de Lília.
Parte de si mesmo o itinerário do conhecer, parece dizer-nos o eu em cada verso na "retórica" das suas indagações.
Bela partilha.
Um beijo, minha amiga Graça

LuísM Castanheira disse...

No "nascimento das sombras", há sempre uma luz nos corpos. Projecta-se o poema
neste teu espaço de culta escolha.
Parabéns à Lília Tavares.
Um belo Poema.
Um beijo, querida Graça.
Boa semana, amiga.

Fá menor disse...

Belíssimo poema!
Gostei muito do encadeamento das palavras.

Beijinhos.

© Fanny Costa disse...

Lindo poema. Gosto quando ele deixa em aberto alguma resposta...
Beijinhos

Os olhares da Gracinha! disse...

Também gosto muito!!!
💖

Alice Alquimia disse...

Gostei de ler aqui n meu silêncio.

Lu Dantas disse...

Ah essas partes da sua poesia se uniram e fizeram tanto sentido pra mim: "como eu queria permanecer no meu lado de dentro" pra ouvir "o silêncio provável do nada". Adorei!

Ótima semana!

beijos

http://ludantasmusica.blogspot.com/

Jaime Portela disse...

Um poema muitíssimo bom.
Obrigado pela partilha.
Continuação de boa semana, querida amiga Graça.
Beijo.

Mariazita disse...

Não conhecia a autora.
E como gostei muito do poema fui investigar. O que descobri foi interessante bastante para incentivar-me a querer saber mais. É o que vou fazer.
Obrigada pela apresentação.

Aproveito a vinda aqui para lhe desejar, assim como a todos os seus, um feliz Natal, com muita Paz e, principalmente, saúde.

Continuação de boa semana.
Beijinhos
MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

neyborba disse...

Belo poema e um belíssimo comentário da Marta vinhas, tanto quanto. Até parece que os dois se completam.
Um bom fim de semana.

mz disse...

Eu digo que é no silêncio que se escuta o grito das árvores.

Que bonita poesia!

Reflexos Espelhando Espalhando Amig disse...

Graça,
Seu poema nos diz
como nos sentimos
de vez em sempre.
Eu amo o silêncio,
ele me acalma.
Bjins de bom fim de semana
CatiahoAlc.

manuela barroso disse...

O meu “ Aí” espantou comentário mas não me cansarei de o repetir para suspirar de novo por esta fome de beleza como o agora aqui presente.
Que se calem todos os ruídos porque o silêncio é a fome de que fala a poetisa . Mesmo o da Árvore que mesmo sujeita aos arremessos dos ares e de tudo o que transporta, se queda num silêncio mudo. Ou será um grito surdo?
Só sei que me quedo com ela e com o sujeito poético num quieto pensamento
Parabéns , Lília , pela beleza do momento que nos proporcionou
Obrigada, Graça, minha querida amiga, por esta seara cheia de espigas
Beijinho para ti

Humberto Maranduva disse...

Mui belo, este poema.
Em toda a toada de que estes versos se deixam deslifar perpassa a dor do silêncio que nos grita os impossíveis de abarcar.

Abraço

Humberto

Maria disse...

Palavras apaixonadas muito bem descritas com esse maravilhoso desconhecido, é uma criação do esplendor de sua alma.
Bom fim de semana , desejo que você esteja bem e sempre muito feliz.
Muitos abraços com carinho

Parapeito disse...

Gostei muito .
Parabéns à Lília Tavares.
Um belo Poema.
Abraço e brisas doces ****

lanochedemedianoche disse...

Realmente excelente, la naturaleza grita ahora más que nunca.
Abrazo

Quase Cinderela disse...

Impressionante! Parabéns à autora Lília!
Fiquei parada nestes versos:
"Explica-me a queda oca
no silêncio provável do nada.
Como é o grito da árvore?"
Fantástico mesmo.
Obrigada por ter partilhado Graça ❤️
Beijinhos

Carlos Augusto Pereyra Martínez disse...

Me encanta esa metáfora del abeto como el mejor de los silencios. Un abrazo. Carlos