17.8.20

Em seara alheia


E VAI LENTO O NAVIO, enorme como os emblemas 
De um longo tempo nos cabelos do mar, 
E assumimos assim a composta melancolia, 
Em novelos de luz tão tocada, pedal azul. 
Vai lento como aquele insólito gigante 
Pedra grande, sentado na vigilância dos dias 
E o corpo em segredo, fantasia de continuar. 
Interrogamos a comissura dessas ilhas 
De que nos falaram em distantes rigores, 
A madeira do soneto, tão lento o navio. 
Tu dizes vou e não faz o mar que aqui havia 
Acaba o mês, os dias todos na pressa do brilho 
Sei baixinho aquele verso de que gostavas 
Para temporadas de silêncio, o teu peito.

Hugo Milhanas Machado
In: Estrela Tambor. Fafe: Labirinto, 2020, p. 36

49 comentários:

Marta Vinhais disse...

E fica-se só... algures...
Não conhecia.... Obrigada pela partilha...
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Gostei.
Um abraço e boa semana.

Andarilhar
Dedais de Francisco e Idalisa
O prazer dos livros

chica disse...

Mais uma bela escolha pra aqui compartilhar! Ótima semana! beijos, tudo de bom,chica

" R y k @ r d o " disse...

Poema fascinante.
.
Feliz inicio de semana.

Olinda Melo disse...


E vai lento o navio, na pressa de chegar
e "trazer novas do meu amor."
"Sei baixinho aquele verso de que gostavas
Para temporadas de silêncio, o teu peito."

Belo poema que nos traz lonjuras e melancolias.

Essa sua "Seara alheia" é de qualidade.

Beijinhos

Olinda

A.S. disse...

Olá Graça.
Talvez a lentidão do navio
nos leva a ilhas nunca vistas
e no silêncio do peito
se faça ouvir o verso que gostavas!

Um beijo e uma feliz semana.
A.S.

Roselia Bezerra disse...

Bom dia de nova semana, querida amiga graca!
Mês após mês, tempo corre e nada traz brilho aos olhos se a espera não vem...
Tenha uma nova semana cheia de ricas bençãos!
Bjm carinhoso e fraterno de paz e bem

carlos perrotti disse...

Um poeta com uma voz muito pessoal, diferente de todas, como deve ser. Versos poderosos. Um fica sentindo seus ecos retumbantes...

Abraço grande!!

silvioafonso disse...

Ah, desculpa, Hugo poeta, mas
não embaças meus olhos com a
Graça que tem a minha poeta.
Bela poesia. Um abraço para
um e beijos, sem máscara, para
a outra, a melhor tecelã de
versos que já conheci.

Marco Luijken disse...

Hello Graca,
Very nice words. Wonderful.

Kiss, Marco

brancas nuvens negras disse...

Poema melancólico com apelos ao passado que se gosta de recordar. Foi um gosto ler.
Obrigado.

Luiza Maciel Nogueira disse...

A criação de imagens poéticas inovadoras abre a mente para novas degustações. :)

María disse...

Brillan los versos desde la melancolía.

Besos.

teresa dias disse...

Obrigada querida amiga, por trazeres de seara alheia belos versos do poeta-docente Hugo Milhanas Machado.
Gostei de o conhecer aqui.
Beijo, boa semana.

José Carlos Sant Anna disse...

Aparentemente caótico o poetar de Hugo Milhanas, mas, aos poucos, nos familiarizamos com a sua estética e descobrimos o quanto há de inovação no seu fazer poético. Uma bela partilha.
Ainda bem que fui em busca de outras manifestação do poeta.
Um beijo, minha Graça"

LuísM Castanheira disse...

peito aberto a novas escritas
gigante
num mar esquecido de ilhas.

gostei desta maré.

um beijo, minha Amiga Graça.
[cuida-te p.f.]

Juvenal Nunes disse...

A leitura desse poema remeteu-me para uma canção de cariz popular, que diz:
"Ribeira vai cheia
e o barco n-ao anda,
Tenho o meu amor
lá da outra banda."
Abraço poético.
Juvenal Nunes

bea disse...

muito bonita a imagem de um barco ser emblema nos cabelos do mar.

alberto bertow marabello disse...

Che bello, c'è sempre mare, amica, in Portogallo.

um beijo

Siby disse...



Hermosa melancolía
que hay en tus letras
hacen que tus letras
deslumbren, un encanto
disfrutarlas.

Besitos dulces
Siby

Cidália Ferreira disse...

Fantástico poema. Amei!!
*
Chegando devagar... :)
.
Uma semana recheada de emoções ... ultima partilha.
.
Beijo e uma excelente noite!

Megy Maia disse...

Olá querida Graça!
Senti minha alma a balançar!
Abracinho poético e recheado de gratidão!🌼🌻🌼
Megy Maia🌈

Toninho disse...

Uma bela escolha Graça onde o sentimento acelera numa melancolia pesada, que na poesia sempre se reveste de uma plastica beleza.
Sua generosidade poética é fantástica.
Bom passear nesta seara.
Semana leve alegre para você.
Beijo amiga.

Food Blog disse...

Thank you for sharing this wonderful post keep your awesome work
Fooddy Blog shows how to make simple dishes so that you can make delicious food for your family. Share your knowledge about cooking.Foody

Isa Sá disse...

A passar por cá para conhecer mais um bonito poema.

Isabel Sá  
Brilhos da Moda

fatimawines disse...

Olá, Graça!

Um poema feito de madeira, barcos, mar e muita imaginação.
Parabéns ao autor e de quem se lembrou dele.bj

MadHatTriss disse...

A prova de que a Língua Portuguesa é maravilhosa. Obrigada pela partilha!

Carlos Augusto Pereyra Martínez disse...

Una emoción, y una nostalgia de cercanía de alguien más allá de la amistad, para un poema de barco andante y mar, de islas que generan una emoción y una distancia. Un abrazo. carlos

Ailime disse...

Boa tarde Graça,
«E vai lento o navio», a vida que nos corre nas veias, mas tão limitada nestes momentos difíceis que atravessamos.
Gostei imenso deste poema de um Poeta que não conhecia.
Obrigada minha Amiga e Enorme Poeta pela generosidade desta partilha.
Um beijinho e continuação de uma boa semana, com saúde.
Ailime

© Piedade Araújo Sol disse...

Graça

achei o poema com estrofes bonitas e com muita qualidade, fez uma boa escolha.
portanto, obrigada por esta partilha.
boa semana!
beijinhos
:)

Anete disse...

Um poeta profundo, tanto quanto a Graça...
Gostei de ler em voz alta para absorver os intensos versos...
Muita paz e um abraço...

Maria Emilia B. Teixeira disse...

"Sei baixinho aquele verso de que gostavas
Para temporadas de silêncio..." Muito bonito.
Boa tarde. Bjs.

lis disse...

É sempre bom conhecer novos nomes da poesia,Graça
Poesia que mesmo não sabendo compor,sabemos apreciar e nos encantar com as palavras que nos leva para o imaginário do poeta.
Que o navio vá lento e chegue ao destino. Parabéns ao poeta Hugo Milhanas.
bons dias para ti com meu abraço

solfirmino disse...

É sempre silêncio no tempo lento e longo, não? Nós é que vamos sempre na "pressa do brilho"...
Gostei do poema.
Ótima semana, amiga.

Teresa Almeida disse...

Revelam-se os versos de que mais gostamos quando o navio vai lento. Que vibração, amiga!

Feliz escolha, querida Graça.

Beijos.

Fá menor disse...

Bela escolha!

Seria tão bom que tivéssemos sempre um peito amado onde aportar os nossos silêncios!

Beijinhos.

Mirtes Stolze. disse...

Boa noite Graça
Um lindo poema. Um feliz final de semana para vocês.. Abraços.

Jaime Portela disse...

Belo poema.
Não conhecia, obrigado pela partilha.
Bom fim de semana, querida amiga Graça.
Beijo.

Hugo Milhanas Machado disse...

Muito agradecido pela generosidade.

Cumprimentos,

Hugo Milhanas Machado

N A S S A H disse...

Belo poema

Duarte disse...

Mesmo indo lento chegará a bom porto.
Belo poema e com que carga de nobres sentimentos.
Abraços de vida, querida amiga

Ana Freire disse...

Mais uma partilha de excelência, que me deu a conhecer um autor que até ao momento desconhecia...
Gostei imenso, Graça!
Um beijinho! Votos de um excelente fim de semana!
Ana

Pedro Luso disse...

Olá, Graça!

Nesta tua bela postagem, querida amiga, pude conhecer o poeta e o belo poema.

Parabéns ao poeta Hugo Milhanas Machado, que não o conhecia.

Um bom final de semana, Graça.

Um beijo

São disse...

Continuas generosa. Bem hajas!

Beijinho, bom fim de semana

ANNA disse...

Muchas gracias por tu aportacio y vista en el blog

Me alegra que vuelvas a visitarme amenudo
te lo agardezco mucho
cuidate mucho


Besos

Gracita disse...

Uma exuberância poética de um escritor que eu não conhecia
Grande beijo querida amiga

Luísa Fernandes disse...

Olá Graça!
Um belo e interessante poema de Hugo Machado. Gostei. Obrigada.
Beijinho e continuação de bom fim de semana.
Luisa

As Mulheres 4estacoes disse...

Olá, Graça!

Assim como o navio, por vezes também andarmos de forma lenta pelos caminhos da vida.

Um abraço,
Sônia

Carlos Augusto Pereyra Martínez disse...

Cuánto nos enseña este poema a ser. Un abrazo. carlos