10.8.20

Foi numa tarde de maio

Albino Moura


Foi numa tarde de maio que as fontes secaram.
 
O primeiro sinal foi dado pelas pombas 
que voavam espavoridas ao rés das janelas. 
Caladas, as mulheres esperaram a noite 
para se sangrarem como num parto. 
Por dentro dos sonhos dos homens 
escorregavam sequiosas serpentes 
que lhes sugavam as veias. 
Só as crianças, em perfeita nudez, 
espalharam o seu riso de água límpida 
e voaram sobre as casas como anjos.

Graça Pires
De A solidão é como o vento, 2020, p. 19


Se quiserem ouvir o poema podem fazê-lo aqui:
                       https://youtu.be/2Z20pDs1YMY 


58 comentários:

brancas nuvens negras disse...

Bonito poema ilustrado com uma aguarela de um autor que conheci pessoalmente.
Bom Dia.

Luis Eme disse...

Os nossos Maios, serão diferentes, ano após ano...

mais secos e mais tristes...

abraço Graça

" R y k @ r d o " disse...

Ilustração perfeita para um poema fascinante de ler.
.
Uma semana feliz
Abraço (toque com os braços)

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Um belo poema de que gostei bastante.
Um abraço e boa semana.

Andarilhar
Dedais de Francisco e Idalisa
Livros-Autografados

Maria Emilia B. Teixeira disse...

Crianças inocentes voando como os anjos... Bonito.
Uma semana abençoada para você.Bjs.

MadHatTriss disse...

Gostei muito do poema e da aguarela!
Obrigada pela partilha.

Roselia Bezerra disse...

Boa tarde de nova semana, querida amiga Graça!
Mulheres caladas...
Assim ficamos ante certas situações agravantes.
Crianças são verdadeiros anjos.
Linda a tela.
Tenha dias abençoados!
Bjm carinhoso e fraterno de paz e bem

LuísM Castanheira disse...

Podem secar as fontes, mas há sempre
rios interiores a mitigar a sede na pureza
das crianças.
De qualquer forma, Maio e' sempre a flor, o parto e o amor.
Este teu belo Poema e' a sede a espreitar
o que os homens perdem a procurar.
Gostei muito [da ilustração de Albino Moura: perfeito].
Um beijo, minha querida Amiga, Graça
e espero que tenham descansado. Bom regresso.

Carlos Augusto Pereyra Martínez disse...

Mágico y trágico, pero creo que era la única forma de lograr con lo doloroso, que emergiera la angelicalidad de los niños, vacunados contra el desastre y la tragedia, Un abrazo. Carlos

A.S. disse...

Uma tarde de maio, onde não houve alquimia, nem saber, nem amor, apenas um patíbulo.
Contudo, as crianças riem na limpidez da água e voam como anjos!
Um beijo e uma semana feliz.
A.S.

Marta Vinhais disse...

Ás vezes, o Mundo fica fechado em si... Mas ainda bem que as crianças voam...
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

carlos perrotti disse...

Ternura e mistério emanam entre seus delicados versos, Graça. Seu lirismo tem aquela sensível mistura que sintetiza neste poema.

Abraço grande. Cuide-se amiga!!

Tais Luso disse...

Que lindo e puro poema, querida Graça!
Crianças são anjos a nos visitar de vez em quando, mas em sonhos...
A obra é extremamente terna.
Um beijo, uma boa semana com saúde e tranquilidade,
até mais!

alberto bertow marabello disse...

Ciao poetessa, molto carina la poesia. E molto bello poterla sentire recitata su Youtube

Teresa Durães disse...

Tanto a realidade que embrutece-me

JUAN FUENTES disse...

Los poemas son las flores de la literatura.

Marco Luijken disse...

Hello Graça,
Special poetic words with a nice paint.

Greetings, Marco

São disse...

Gostei muitissimo deste teu belo poema.

Te abraço, minha amiga, desejando-te saúde e tudo de bom.

solfirmino disse...

Muito lindo esse poema. Imaginei a cena como um filme, e a imagem é perfeita. Agora vi que já assisti e comentei no vídeo, acho que foi pelo Facebook da Poética. Estava com saudades das suas postagens. Bem-vinda de volta a este espaço, minha amiga.
Ótima semana

Toninho disse...

Ventos de Maio que levam poesias.
Ventos de Maio que levam solidão.
Uma lindeza impar Graça e a declamação nos envolve neste vento.
Aplausos amiga.
A declamação é sua?
Muito linda.
Beijo amiga.
Bela partilha no video.

Juvenal Nunes disse...

Talvez que a postura das crianças inocentes tudo sobreleve.
Abraço poético.
Juvenal Nunes

Os olhares da Gracinha! disse...

O quadro é tão interessante e a poesia linda de se ler!!! Bj

N A S S A H disse...

Muito bello poema e linda imagem.. Gosto muito

Teresa Almeida disse...

Este excelente poema parece ser escrito em tempo de dor, como o que atravessamos. Tristes e sós. O verão que ansiávamos foi confinado.
É verdade que as crianças são a alegria e a promessa. Não desanimemos!

Beijos, querida Graça.

Isa Sá disse...

Bonito poema e uma bela imagem!

Isabel Sá  
Brilhos da Moda

Ailime disse...

Boa tarde Graça,
Um poema muito belo.
Em tempos inglórios o que nos salva é a candura das crianças e os seus sorrisos límpidos como a água das nascentes e que como anjos nos protegem e alegram.
A Imagem é belíssima, como bela é a sua interpretação do poema no vídeo.
Um grande beijinho, minha Amiga e enorme Poeta, e continuação de uma boa semana com muita saúde.
Ailime

silvioafonso disse...

Poeta te vi passando, por isso corri
do jeito que vês.
Cansei-me sim, sim, mas água não quero.
Bastam-me teus versos para o deleite da
alma e o descanso do meu corpo.
Beijos, Graça querida.

bea disse...

Não tinha pensado nisso, mas talvez a solidão seja mesmo como o vento.
Boa semana, Graça.

Vanessa Casais disse...

Adorei o poema com a imagem. Adoro albino Moura, é o meu pintor português de eleição.

Obrigada Graça. Boa semana!

Vanessa Casais
https://primeirolimao.blogspot.com/

Vall Nunnes disse...

Perfeito. Apenas a autenticidade das crianças fez derramar água límpida,por terem alma limpa.
Até breve

Reflexo d'Alma disse...

Graça,
Seu lindo e iluminado texto
me relembrou um escrito
de Graciliano Ramos.
No livro todos são
crianças e não precisam
de roupas, o nome do livro
é A terra dos Meninos Pelados.
Adorei vir aqui nessa tarde/noite
Bjins
CatiahoAlc.

Lucinalva disse...

Olá Graça
Belo poema, abraços querida.

MARILENE disse...

Você escolheu imagem perfeita para seu poema. A menção às crianças traz ternura a uma insólita realidade. Bjs.

ManuelFL disse...

As fontes secaram mas as crianças espalharam o seu riso de água límpida e a esperança renasceu. Adorei a ilustração. Beijos.

Megy Maia disse...

Boa tarde amiga Graça!
Lindas e sensíveis palavras!
As crianças dão brilho às nossas almas!
Um doce abracinho!❤️👼💐
Megy Maia🌈

Luísa Fernandes disse...

Boa tarde amiga Graça!
Um belíssimo e excelente poema. Não há dúvida que as crianças fazem alegria do lar.
Poema que soa bela-mente bem, só crianças se transformam na paz dos anjos.
Gostei muitíssimo.
Beijinho de paz e luz.
Luisa

Manuel Veiga disse...

belíssimo, querida Poeta
poesia (quase) bálsamo!

beijo, minha Amiga

Roselia Bezerra disse...

Bom dia, querida amiga Graça!
Que declamação linda!
Vim ouvir agora com calma.
Tenha dias abençoados!
Bjm carinhoso e fraterno

fatimawines disse...

Olá, Graça!

Excelente, declamação. Não se poderia pedir mais.
Hoje, no meu luz no teu olhar, deixo-lhe um milagre.
bj.

Ana Tapadas disse...

Ler-te e ouvir-te é um deleite.

Um beijo, Graça.

Rogério G.V. Pereira disse...

«Só as crianças, em perfeita nudez,
espalharam o seu riso de água límpida
e voaram sobre as casas como anjos.»

Sejamos crianças, então!

Nal Pontes disse...

Bom vim no seu cantinho. Belo poema..foi numa tarde de mãe. Tema bem interessante. Bjs querida

lupuscanissignatus disse...

tão premente. tão presente. dos venenos que nos assolam.

Jaime Portela disse...

A dor e a vida andam por vezes de mãos dadas...
Excelente poema, os meus aplausos.
Bom fim de semana, querida amiga Graça.
Beijo.

Fá menor disse...

Então é sempre melhor ter a inocência das crianças!

Bonito poema!

Bom fim-de-semana!

Beijinhos.

Mirtes Stolze. disse...

Boa noite querida Graça
Um poema lindo e emocionalmente. Costumo dizer que uma casa sem criança é sempre um local sem risos que nós fazem rir junto. Crianças são anjos de Deus, nesta pandemia passou muito tempo longe dos meus pequenos amorezinhos, é duro a saudade. Feliz fds. Carinhoso abraço.

R's Rue disse...

Love it so much. Beautiful

© Piedade Araújo Sol disse...

Graça

um poema forte e intenso, mas, no fim amenizado pela nudez pura e o voo das crianças.
a vida por vezes é amarga e temos de a saber gerir.
esse Maio já passou, outro vira, quicá, mais ameno e com mais paz.
Assim esperamos todos.
bom domingo
Beijinhos
:)

Ana Freire disse...

O peso do mundo dos adultos, num forte contraste com a alegria primordial das crianças... perante as durezas da vida...
Um poema muito belo, emocionante e profundo!
Deixo um beijinho, e os meus votos de um excelente domingo!
Ana

Marli Terezinha Andrucho Boldori disse...

Boa noite, Graça, "Foi numa tarde de verão", mostra-nos em alguns versos a tristeza da seca,
os sonhos talvez impossíveis, porém no final os versos são mais amenos, porque quando falamos sobre crianças as comparamos aos anjos de Deus.
Muito lindo, seu poema. Abraço!

Olinda Melo disse...


Querida Graça

Adorei ler este seu Poema no Livro, depois aqui no blog
e agora dito assim tão bem, em que as palavras soam
em toda a sua crueza.

No fim a redenção:
Só as crianças, em perfeita nudez,
espalharam o seu riso de água límpida
e voaram sobre as casas como anjos.

Boa semana.
Beijo

Olinda

Teresa Durães disse...

Mais outro poema que não encontro palavras (a não as banais e não quero, não merece). Graça, que esteja tudo bem contigo e... também não desanimes (eu sei, tenho estado muito ausente, nem sei porquê)

teresa dias disse...

Está visto, querida amiga, o teu livro "A solidão é como o vento" é feito de muitas e belas pérolas.
A esta juntaste uma bela aguarela de Albino Moura, e o resultado é magnifico!
Beijo, fica bem.

José Carlos Sant Anna disse...

Não estive aqui na semana passada, embora você tivesse anunciado que voltaria dia 10. Eis-me aqui, agora, contemplando a beleza da aquarela de Albino Moura, formando um belo par com a textura do seu poema, com as implicações semânticas e imagética do belo poema. Muito belo!
Um beijo, minha amiga Graça!

Agostinho disse...

Um par belíssimo desta feita.
A cor e o tom dividididos entre a fatalidade e a esperança.
Enquanto houver crianças de olhos d'água o mundo regenera-se para nós.
Um poema superior que desperta fortes sentimentos.
Um beijo amigo.

AC disse...

Sublime.
É tão bom lê-la, Graça.

Um abraço

As Mulheres 4estacoes disse...

Crianças são anjos, alegrando e nos mostrando como ter olhos de ternura e encanto.

Um abraço

manuela baptista disse...

Muito bonito este poema!

que posso eu acrescentar a este voo de crianças nuas, puras, quando maio secou as fontes e as mulheres se sangraram em silêncio?

um beijo, Graça.