26.9.22

No outono

Magdalena Russocka 

Um punhal certeiro como um aviso 
atinge o dia tombado 
sobre o melindre das folhas no outono. 
Na duração das noites, há árvores estéreis 
que naufragam com a chuva 
e deixam um alagado eco sobre a terra. 
A água escorre entre o alinhamento regular 
das oliveiras que aguardam o frio 
nos lugares onde a paisagem 
é um campo sem lavoura, 
sem searas, sem celeiros. 
Lugares onde se recolhem as formigas 
e a nostalgia das sementes. 
Lugares onde os beirais ficam vazios 
e, na cintura das mulheres, 
se quebram as lanças da paixão. 
Sinto em mim a ressonância calada da terra. 
Capto os sons do vento abraçando 
as árvores como um queixume. 

Graça Pires 
De Antígona passou por aqui, 2021, p. 46

54 comentários:

Ana Freire disse...

Uma lindíssima descrição do Outono, através de um desfilar de brilhantes metáforas!
Mais um poema notável, Graça! Adorei ler!
Um beijinho grande! Votos de uma feliz semana, com saúde, para si e todos os seus!
Ana

brancas nuvens negras disse...

Belo, como sempre, de grande valia literária.
Um abraço.

chica disse...

Tão linda, tão profunda e intensa tua poesia,Graça!
Adoro te ler e fico embasbacada ao comentar,rs...
beijos, linda semana! chica

Maria João Brito de Sousa disse...

Esplêndido poema, este seu "No Outono", Graça!

Estoicamente, como as oliveiras, aguardo o "punhal certeiro" dos grandes frios.


Um beijo!

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Um excelente poema que que gostei.
Um abraço e boa semana.

Andarilhar
Dedais de Francisco e Idalisa
Livros-Autografados

Jaime Portela disse...

Um poema soberbo.
Onde a excelência da palavras é dominante.
Boa semana, amiga Graça.
Um beijo.

Mário Margaride disse...

Olá, amiga Graça,
Poema sublime, onde a inquietude se manifesta com veemência, em cada palavra escrita.
Gostei muito.
Votos de uma excelente semana, com muita saúde.
Beijinhos!

Mário Margaride

http://poesiaaquiesta.blogspot.com

Marta Vinhais disse...

E o Outono chega...rico em cores quentes, mas já com a brisa fria a insinuar-se...
Lindo...
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

Raquel disse...

Que linda descrição do outono! Beijinhos

ManuelFL disse...

Como escreve a poeta, por vezes no Outono também:

«Sinto em mim a ressonância calada da terra. [e]
Capto os sons do vento abraçando
as árvores como um queixume.»

Mas a mim e aos seus outros leitores, tenho a certeza, não «se quebram as lanças da paixão» ao ler a sua poesia tão plena de sensibilidade e emoção.
Adorei a imagem que acompanha o poema.
Beijos

- R y k @ r d o - disse...

Poema lindo que muito gostei de ler.
.
Uma semana feliz … cumprimentos poéticos
.
Pensamentos e Devaneios Poéticos
.

Carlos Augusto Pereyra Martínez disse...

Cn un gran sentimiento por el Otoño, que se hae metáforas de aliento de mujer, de deseos, de colores. Un abrazo. Carlos

Ailime disse...

Boa tarde Graça,
Que poema tão belo e intenso sobre o outono, que transmite toda a beleza, mas também toda a nostalgia e dificuldades que esta estação (que nem sempre é dourada) encerra.
Antígona passou por aqui um Livro que deve merecer a atenção dos seguidores, pois é uma excelente obra de POESIA!
Beijinhos minha Amiga e Enorme Poeta, desejando-lhe uma semana com muita saúde.
Ailime

São disse...

Viva, minha Amiga.

Que o OUtono te seja agradável e o vivas com alegria.

Beijinhos :)

bea disse...

Gosto tanto dos poemas de Antígona passou por aqui. E este Outono sardento é tão bonito também na foto.
No outono da vida somos todos sardentos:)
Boa semana, Graça. E um abraço às mulheres em cuja cintura se quebram as lanças da paixão. Que as lanças deviam ser todas de quebrar.

Luiz Gomes disse...

Boa tarde minha querida amiga Graça. Texto maravilhoso sobre outono. Por enquanto nossa primavera ainda não chegou com força aqui no Rio de Janeiro.

carlos perrotti disse...

Magnífico poema otoñal, sensibles depurados versos, amiga... lo que en usted es natural.

Abrazo grande con el placer de leerla siempre.

Fatyma Silva disse...

Olá Graça!
Que lindo e intenso poema e uma bela foto!
Viva o outono com suas belas cores e folhas esvoaçantes!
Tenha uma linda semana e um feliz outono.

Beijinhos

Roselia Bezerra disse...

Querida amiga Graça, bom final de noite com paz!
Os elementos outonais com que teceu seu poema estão lindamente colocados.
Criou um panorama bem representativo.
Que os ventos não sejam gélidos em seu viver!
Tenha dias abençoados e aconchegantes!
Beijinhos com carinho fraterno
🍂🍁😘

Edite mendes disse...

Olá Poema lindo e intenso . Muita sensibilidade descrita em versos. Abraços.

Tais Luso de Carvalho disse...

Que belo poema, querida Graça,
e a imagem, com aquela folha seca...belíssima escolha
para emoldurar tão belo poema que nos entregas um outono
meio triste, senti. Ou já é triste por natureza.
Um beijinho, e uma feliz semana!

Manuel Veiga disse...

poema vibrante, de palavras e imagems pelas de harmaria e força!

saydi-te, POeta. amo a tua poesia,

beijos, querida POeta

JUAN FUENTES disse...

La cultura es tu camino

J.P. Alexander disse...

Bello y melancólico poema. Me gusta el otoño . Te mando un beso.

teresadias disse...

LINDO poema outonal!
Querida amiga Graça, tenho pena de não saber descodificar os teus poemas como deve ser. Não nasci com o dom poético. Mas gosto muitíssimo de palavras e a riqueza da tua linguagem poética deixa-me maravilhada. Obrigada, amiga!
Beijo, boa semana, saúde.
(A imagem, acertadíssima escolha.)

Anete disse...

Um poema que faz imaginar e concluir grandes verdades do Outono na estação da vida!
Bjs

Olinda Melo disse...


Querida Graça

De cada vez que leio um trecho de "Antígona passou por aqui",
parece-me tudo novo como se o estivesse a ler pela primeira vez
Há sempre uma ideia, uma dor escondida em cada linha, em cada
entrelinha e surpreendo-me sempre com o poder da sua escrita.
E essas descobertas levam-me a querer sempre mais.

Desejo-lhe boa semana, minha amiga.

Beijinhos
Olinda

© Piedade Araújo Sol (Pity) disse...

Boa tarde Graça
Um poema a lembrar o Outono, com uma foto que enaltece o poema.
Melancólico, mas belo na sua melancolia.
Gostei bastante.
Desejo uma semana abençoada com muita saúde.
Um beijo
:)

alberto bertow marabello disse...

Descrivi molto bene la malinconia dell'autunno. Una stagione che io amo moltisdimo.
Buona settimana amica Poetisa.
Um beijo

Cidália Ferreira disse...

Poema intenso.. Muito bonito!! :))
-
Queria viver simplesmente na ilusão...

Beijos
Uma excelente semana!

Arthur Claro disse...

Linda poesia.

Arthur Claro
http://www.arthur-claro.blogspot.com

teresa p. disse...

O Outono retratado de forma poética, com realismo e profundidade. As folhas das árvores pintadas de ouro em várias tonalidades, a chuva que cai formando riachos e toda a melancolia que transmitem os dias mais curtos. "Capto os sons do vento abraçando as árvores como um queixume." A foto que ilustra o poema é maravilhosa.
Beijo-

Rogério G.V. Pereira disse...

Acho que teu poema
merecia ter por fundo
tocado sereno
em violoncelo
a obra de Vivaldi

seria belo

Majo Dutra disse...

Um modo singular de sentir o outono expresso num poema
vigoroso adornado de belas imagens e metáforas.
Foi um prazer apreciá-lo numa expressão diferente do
Habitual surrealismo...
Beijinho, estimada Poeta.
~~~~~

Caderrno de San disse...

Cabe ao leitor o exercício de penetrar o universo da sua poesia, minha amiga Graça, e manifestar-se ou não, a cada novo verso, a cada novo poema, como, por exemplo, neste Outono, tão poético quanto melancólico, mas nele se apreende o peso da construção dessa bela estética. Muito belo!
uma boa noite!
beijo,

Pedro Luso de Carvalho disse...

Olá, amiga Graça,
um belíssimo canto para o outono que chegou,
estação triste que tanto alimenta as criações
jazzísticas nos Estados Unidos, pela tristeza
e pela proximidade do inverno.
Uma ótima semana, amiga Graça.
Beijo

Isa Sá disse...

Bonito poema.
Isabel Sá
Brilhos da Moda

Franziska disse...

A medida que iba leyendo, podía sentirme rodeada de un otoño tan bello que me quedé atrapada en todos sus versos. Sensible e inteligente poesía. Gracias por compartirlo. Ha sido un tiempo lleno de belleza. Un abrazo de paz y de esperanza.

Ahmed disse...

as beautiful as autumn itself dear Grace :)

your expressions are outstanding my friend as i can feel the pain of the earth aching in the heart of poet's soul as well .autumn is crazy blend of joy and sorrow indeed
hugs and blessings!

tristan reveur disse...

extraordinário poema.
para o poeta aprendiz é um espanto catalisador da catarse poética.
Amei

Teresa Almeida disse...

Um poema em que o outono nos atinge em radiações de beleza e sentir.
Não me surpreende que "Antígona passou por aqui" conste da lista de finalistas dos Prémios PEN 2022. Regozijei-me. Parabéns, minha querida poetisa e amiga Graça Pires.
Um abraço imenso.

Maria Rodrigues disse...

Um poema belo e nostálgico, tal como o Outono.
Beijinhos

manuela barroso disse...




Pois eu não sei como te nascem essas ressonâncias! Dizes "da terra" mas elas vibram como ventos sonoros mas que não são silvos...talvez ondas sonoras de sereias como que um feitiço que faz nosrodopiar em todo o teu poema.
Como gostava de captar esses sons!
Não é por acaso, POETA, que "A Antígona passou por aqui" esteja na lista de finalista dos Prémios PEN 2022
Que orgulho
Quanta ALEGRIA!
Muitos e muitos PARABÉNS, querida Graça!
Abraço

Jaime Portela disse...

Gostei de reler este excelente poema.
Continuação de boa semana, amiga Graça.
Beijo.

Juvenal Nunes disse...

Gostei muito do poema. O outono é uma despedida que prenuncia a morte. Mas a magia da natureza, no equinócio seguinte, tudo faz reviver e tudo transforma num até já.
Abraço de poética amizade.
Juvenal Nunes

solfirmino disse...

Sempre há uma estação aguardando a outra, tanto na natureza, como no ser humano. Eu gosto muito de ler e de escrever sobre o tema. Você é mestra no assunto, Graça, porque sente a natureza, como eu. Como escreveria "Sinto em mim a ressonância calada da terra./Capto os sons do vento abraçando/as árvores como um queixume", se não sentisse? Não é escrito por um simples sujeito lírico. Seus livros são obras-primas. Este, principalmente, merece muitos prêmios.
Um beijo, amiga

Lucinalva disse...

Bom dia, Graça
Lindo poema, um forte abraço.

Mário Margaride disse...

Boa tarde, amiga Graça,
Passando por aqui, relendo este excelente poema que muito gostei, e desejar um feliz fim de semana, com muita saúde.
Beijinhos!

Mário Margaride

http://poesiaaquiesta.blogspot.com

Laura. M disse...

Lindos versos para este otoño que nos llega. Me gusta ver como la tierra va cambiando sus colores para renovarse de nuevo.
Buen fin de semana Graça.
Un abrazo.

Fá menor disse...

Muito belo! Os sons e tons do Outono, assim nas árvores, assim em nós.

Beijinhos. Bom fim-de-semana!

Rajani Rehana disse...

Great blog

Ana Tapadas disse...

Sabes que aprecio profundamente a tua poesia! E digo isto do ponto de vista pessoal e profissional.
Ademais, vivo num lugar desses...Belo poema!
Beijo

Emília Pinto disse...

No outono as árvores se despem das suas folhas que vão caindo, conforme a velocidade do vento; caem, secam e morrem, mas as árvores mantêm-se firmes e não choram; sabem que é só esperar um pouco que logo elas voltam a adornar os seus galhos de um verde lindo; tudo vota ao normal nas suas copas que irão acolher os pássaros na construção dos seus ninhos. É uma estação de beleza nostálgica, pois nela há uma sensação de perda que nos leva a pensar na nossa vida, também ela feita de fases, de estações Por mais que tentemos não fazer qualquer comparação, lá vem o momento em que pensamos no nosso próprio outono que se vai despindo da frescura das folhinhas verdes, com a certeza de que, depois de cairem todas, não voltarão à nossa árvore da vida. É uma certeza a que temos de nos habituar, Amiga Graça. Parabéns por seres essa poetisa de grande talento que merece ser premiada sempre. Um beijinho e que a vida te abençoe com saúde, a ti e aos teus, claro,
👏 👏 🙏
Emilia

Parapeito disse...

Eu gosto do Outono e das suas palavras doce Graça.
São melodia para o Outono que chegou em nós.
Abraço e brisas doces ***