20.9.21

Levemente inclinado sobre os trevos

Ivan Sandorfi

Levemente inclinado sobre os trevos 
erguia a foice para avistar a seara, 
o celeiro e o pão sobre a mesa. 
Diante das árvores sem folhas 
curvava os ombros 
enquanto um súbito recolhimento 
lhe gretava o chão. 
Uma tarde o corpo dele fez-se sombra. 
E um arado o lavrou como se fosse terra. 

Graça Pires 
De A solidão é como o vento, 2020, p. 10

60 comentários:

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Excelente poema, gostei.
Um abraço e boa semana.

Andarilhar
Dedais de Francisco e Idalisa
O prazer dos livros

Maria João Brito de Sousa disse...

Lindíssimo, Graça.

Um beijo.

Toninho disse...

Perfeito como um poema feito com os olhos na seca do sertão, o sertanejo apesar de forte fecha os olhos e tomba sob o mandacaru e a terra trincada o suga para suas entranhas.
Forte e belo no triste é arte Graça.
Boa semana amiga.
Beijo de paz.

brancas nuvens negras disse...

Um poema de cariz campestre que fala "nela" sem a nomear. Gostei.
Um abraço.

Roselia Bezerra disse...

Bom dia de paz, querida amiga Graça!
O trabalhador para pôr o pão em sua mesa está se definhando...
De ombros curvados e olhar pesaroso vai seguindo a, por fim, se tomba diante da realidade cruel do mundo atual.
Um poema lindo, mais um, com toda reflexão que lhe é peculiar.
Tenha uma nova semana abençoada!
Beijinhos com carinho de gratidão

Mário Margaride disse...

Olá, Graça!
Poema belíssimo, onde retrata a vida dura de quem trabalha a terra.
Parabéns!

Gostei muito.
Votos de uma excelente semana, com muita. saúde.
Beijinhos!

Mário Margaride

http://poesiaaquiesta.blogspot.com

chica disse...

Maravilhoso, bem do teu jeito lindo de poetar,Graça!
Ótima semana e aproveito pra te desejar ótimo OUTONO que por aí vai chegar!
beijos, chica

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Deixa-me bradar, simplesmente, a plenos pulmões: BELO, BELÍSSIMO!

Cidália Ferreira disse...

Poema intenso. Gostei muito :))
.
Beijo, e uma excelente semana!:)

- R y k @ r d o - disse...

Poema intenso, profundo, que me deliciou ler. Bela imagem.
.
Saudação poética
.
Pensamentos e Devaneios Poéticos
.

Marta Vinhais disse...

Quem trabalha de sol a sol...até que a morte o reclama...
Brilhante como sempre...
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

© Piedade Araújo Sol disse...

O trabalho arduo de quem nunca é reconhecido.
Triste e realista.
Muito bem construído.
Gostei taambém da imagem que lhe dá suporte.
Tenha uma boa semana cheia de paz e saúde.
Beijinhos
:)

A.S. disse...

Ser uma sombra. Talvez seja esse o final inevitável.
Algum arado nos virá colher!
Muito belo o teu poema amiga Graça.
Te cuida.
Uma boa semana!
Beijo.

ManuelFL disse...

Uma tarde o corpo dele fez-se sombra.
E um arado o lavrou como se fosse terra.

Este poema tocou-me profundamente.
Feliz escolha da imagem.

Lucinalva disse...

Boa tarde, Graça
Bonito poema, bjs querida.

bea disse...

Que bonito, Graça. Como em tão curtas linhas ficou dita uma vida. Porque é assim com alguma gente, vive um poema e nele se gasta. A comunhão sofrida com a terra é comovente.

Os olhares da Gracinha! disse...

Também gosto muito do poema 👏👏👏

carlos perrotti disse...

Ótima detecção, amiga Graça. A poesia faz isso, detecta o que os olhos tendem a não ver ... Outro grande poema. Muito grato por você compartilhá-lo. Hoje é o dia em que preciso ler-lo.

Grande abraço, Poeta. Sempre cuide-se bem.

A Paixão da Isa disse...

amiga os seus poemas sao sempre tao bons a ler mais um muito bonito bravo bjs saude boa semana

Luísa Fernandes disse...

Olá, Graça!
Um belíssimo poema, que retrata a vida do camponês e as dificuldades de outrora. Gostei imensamente.
Beijinhos de paz.
Luísa Fernandes


Ailime disse...

Boa tarde Graça,
Um poema muito belo sobre o trabalho árduo de quem nem sempre é reconhecido e sofre as agruras da vida para que o pão não falte na mesa.
Triste o fim de tantos e tantas!
Gostei muito, minha Amiga e Enorme Poeta.
Beijinhos e uma boa semana, com muita saúde.
Ailime

Luiz Gomes disse...

Boa tarde Graça. Poema lindo e maravilhoso. Isso demonstra um verdadeiro e grande amor pela natureza.

JUAN FUENTES disse...

Lo tuyo es la cultura.

José Ramón disse...

Sensible poema. Que tengas una buena semana

J.P. Alexander disse...

Bello poema tan intenso. Te mando un beso

Isa Sá disse...

Bonito poema.

Isabel Sá
Brilhos da Moda

baili disse...

poignant and touching poem dear Grace !

a perfect portrait of life who never departs from ground throughout his life from sowing shadow to plowing his own body the journey encircles the ground completely .

such life may be seem tough but if there is justice no lifestyle appeals me more than this
hugs and love!

manuela barroso disse...

E eu curvo-me perante a beleza da tua imagem e essa poesia tao maravilhosa onde a nostalgia me causa uma especie de dor na alma.
Única es tu em saberes tocar nos temas quotidianos e com eles fazeres autênticas melodias!
O meu abraço querida Graça

São disse...

Belissimo , de facto, este teu poema, Graça!

Te abraço com admiração e estima

Emília Pinto disse...

Vivem da terra, daquilo que ela lhes dá à custa de trabalho árduo, de sol a sol, esperando apenas que o " rio continue a passar sem correr" para que na mesa não falte a agua fresca e o pão que eles mesmos tiveram de amassar. E pouco mais esperam essas criaturas para que se sintam contentes e agradeçam à virgem, todos os dias antes de deitarem. Vidas simples, muito sofridas e pouco valorizadas e, depois que o peso dos anos os impede de pegar a enxada e semear o grão que lhes dará o pão, são encostados a um canto, sem serventia, esperando que a vida os leve para um outro chão, também de terra, mas nada semelhante àquela de onde tiraram o sustento dos filhos, filhos que, agora, já criados, os deixam numa solidão mais doīda que o trabalho duro dos campos. Dá um aperto no meu coração quando, ao ler este poema, revi gente assim, na aldeia onde nasci. Ainda há alguns, sentados a um canto, com os olhos tristes perdidos nos campos cobertos de ervas daninhas. Já partiu, a grande maioria! Lindo, mas muito triste, este teu poema Graça, mas quem disse que a vida era sempre bela? Não, para muitos ela nunca foi boa ! Obrigada e SAÚDE, Amiga! Um beijinho
Emilia

Fá menor disse...

Oh! Belo poema triste!

Belíssima imagem escolhida.

Beijinhos e boa semana!

Agostinho disse...

Um grande poema que nos põe à prova:
"um arado o lavrou como se fosse terra"
inexoravelmente o destino no último verso.
Mais um poema de uma obra que dói na sombra
melancólica que percorre os olhos de gente.
De todos nós.

Boa saúde, Amiga Graça. Beijo.

solfirmino disse...

Querida amiga, sempre trazendo imagens fortes que fazem pensar. Eu gosto muito desse poema. Há poucos dias passou na TV o comercial de um documentário sobre "Cidades fantasmas", cidades abandonadas depois da pandemia, nas quais existem poucas pessoas morando em tais lugares, muitas tentam sobreviver, mas não passa ninguém para comprar produtos em uma venda, por exemplo. Assim nascem os retirantes, como no "livro Morte e vida severina"...
Uma ótima semana, amiga. Beijos

Maria Rodrigues disse...

O final de uma vida de trabalho. Um poema sublime, de uma nostalgia profunda, que toca o nossa coração.
Beijinhos

Jornalista Douglas Melo disse...

Se os trevos são de sortilégios ou não, não atrevo-me dizer. A realidade, é que quando nossos corpos se transformam em sombras em solo fértil, nada podemos entender se ainda brotaremos outra vez.
É sempre um prazer ler teus escritos, minha querida amiga Graça.
Beijos e cuide-se bem!!!

LuísM Castanheira disse...

"[...] Uma tarde o corpo dele fez-se sombra.
E um arado o lavrou como se fosse terra."

Atravessar a Vida de corpo dobrado
para que da terra se faça o pão. E o
suor caído, tanto, que só fica o sal, na
sombra que lhe deu os calos da mão.

Foi assim... ainda o é, embora menos.

Um grande poema, Graça,

Um beijo. Cuida-te p.f.

lis disse...

E quantos arados por aí a sangrar o chão, Graça
Parece que ainda muitos se curvarão diante da foice a procura
do pão que os alimente.
Agradeçamos nossa condição, todo dia. Quando ainda leve.
Abraço

Mário Margaride disse...

Olá, amiga Graça.
Passando por aqui, relendo este excelente poema que muito apreciei, e desejar um feliz dia, com muita saúde.
Beijinhos!

Mário Margaride

http://poesiaaquiesta.blogspot.com

Sinval Santos da Silveira disse...

Mestra/ Poetisa, Graça Pires !
Que linda forma de descrever um
trágico desaparecimento, em
linguagem poética.
Parabéns e uma feliz semana, com
votos de alegria e saúde !
Um fraternal abraço,aqui do
Brasil !
Sinval.

Pedro Luso de Carvalho disse...

Olá, amiga Graça, gostei muito de ler esse seu poema, de cunho social, um canto belíssimo e terno. Meus parabéns, poeta!
Desejo a você Graça, um ótimo final de semana, cuidando-se bastante.
Um beijo, amiga.

Laura. M disse...

Gran poema. Letras que relejan la vida misma. Polvo somos y al polvo volvemos.
Buen jueves.
Un abrazo

teresadias disse...

Belo, muito belo, belíssimo!
E que final, Graça!
Querida amiga, li e fiquei sem palavras. Acontece-me sempre, contigo.
Beijo, fica bem, tem um Outono abençoado.

Reflexos Espelhando Espalhando Amig disse...

Graça,
Bravíssimo!
Linda publicação!
Gosto muito de ler
sem me preocupação em
expor meu comentario.
Sou simplesmente leitora...
E amo ler tudo que você publica.
Bjins
CatiahoAlc.

Malindha Erba disse...

Preciso poema ♥ Muchas gracias por compartirlo con nosotros

Teresa Almeida disse...

Tão afiado teu verso, querida Graça, a cavar o fim da vida sofrida.

Tão bem conseguido|

Beijos, amiga.

alberto bertow marabello disse...

Eppure si deve andare avanti comunque.
Bellissima poesia amica mia.
Um beijo, Poetisa.
Grazue

Manuel Veiga disse...

homens e natureza em sua pureza e acção priginal
um vínculo de que somos herdeiros e continuadores.

gostei muito, querida POeta
e minha amiga Graça

Ulisses de Carvalho disse...

porque, afinal de contas, fazemos parte da natureza - ainda que a maioria se esqueça. um beijo, Graça.

Juvenal Nunes disse...

Em pó te tornarás e na terra serás sepultado...
Não temos outra sina...
Abraço amigo.
Juvenal Nunes

Olinda Melo disse...


Imagem impressionante a ilustrar este seu Poema, querida Graça,
que chega até nós num tom que deixa antever o drama e a inefável
leveza do ser que somos.
Esse seu livro, "A solidão é como o Vento", é um manancial de
sentimentos que nos toca a Alma.

Beijinhos
Olinda

Jaime Portela disse...

A vida é assim mesmo, não há outra saída...
Excelente poema, gostei imenso.
Bom fim de semana, amiga Graça.
Beijo.

betonicou disse...

Afinal, somos folhas e trevos caídos, a fertilizar a terra um dia. Belíssimo , Graça. Grande beijo. Feliz fim de semana.

teresa p. disse...

Poema forte e emocionante que leva ao recolhimento interior e à conclusão da efemeridade da vida. O trabalho esforçado e árduo leva a que o homem se esqueça de si e se torne quase invisível para os outros. "...erguia a foice para avistar a ceara, o celeiro e o pão sobre a mesa." A morte é tão despercebida como a vida. Um arado o lavrou como se fosse terra.
A imagem que ilustra o poema é bela e perfeita.
Beijo.

Majo Dutra disse...

«És pó e ao pó voltarás»...

Leio um canto muito belo à efemeridade da vida.

Um outono muito agradável, Poeta amiga. Beijos.
~~~~~~

yonosoymillenium disse...

Hello, I loved this post, you write great, you can see passion in your words.
What a nice post! I love everything :)
I have loved your publication, I did not know your blog, do you want us to follow? I'd love to. Cheers

Carlos Augusto Pereyra Martínez disse...

Se presta para varias interpretaciones, entre las que escojo, la ironía del trabajador de la tierra convertirse en rastrojo, para ser arrollado por el arado; pero en una versión más próxima a lo positivo, ser abono para la cosecha del pan. UN abrazo, y mis respetos a sus versos.
Carlos

Fê blue bird disse...

Há sempre magia nas suas palavras amiga Graça.
Um poema muito sensível sobre a condição humana.

Beijinho e feliz semana !

Anete disse...

Tocante e forte, realista e belo!
Boa semana, querida Graça...
Bjs

Ana Bailune disse...

Destino.

Ana Freire disse...

Toda uma vida... dura e difícil... aqui sublimemente delineada...
Magnifico e tocante momento poético, Graça! Adorei cada palavra!
Beijinho!
Ana