13.9.21

Dentro da boca



O rio passando 
    sem nunca correr. 


Não lembrar o rio,  
apenas a água 
prometida pela nascente. 

Deslizar um ávido olhar 
pela corrente sem margens, 
sem percurso, sem fundo nem fim

Água a escorrer lentamente 
dentro da boca. 
Puríssima. 

No enrouquecimento da voz. 

Graça Pires
In: Água Silêncio Sede: homenagem poética a Maria Judite de Carvalho no centenário do seu nascimento. Selecção e organização de Lília Tavares e Carlos Campos.  Braga: Poética, 2021, p. 76

60 comentários:

brancas nuvens negras disse...

A frescura de um belo poema.
Um abraço.

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Uma bela homenagem poética.
Um abraço e boa semana.

Andarilhar
Dedais de Francisco e Idalisa
Livros-Autografados

Marta Vinhais disse...

A água, a fonte da vida a deslizar suave ou furiosamente por entre os caminhos da vida....
Com uma voz única....
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

chica disse...

Lindo! E que bom poder ter água puríssima para a sede matar. Nem todos têm... Linda semana! beijos, tudo de bom,chica

- R y k @ r d o - disse...

Delicioso de ler. Poema sublime.
.
Votos de uma feliz semana.
.
Pensamentos e Devaneios Poéticos
.

Mário Margaride disse...

Olá, amiga Graça!
Que as águas límpidas e frescas deste rio, espelhem a face pura e sensível, do amor.
Gostei muito.

Votos de uma excelente semana!

Beijinhos!

Mário Margaride

http://poesiaaquiesta.blogspot.com

betonicou disse...

Águas, esperando serem sorvidas por um longo beijo. Gosto imenso de textos que revelam várias nuances de entendimentos. Belíssimo poema, Graça! Tenha uma excelente semana! Beijos.

Maria Eu disse...

Nunca tomar o todo pela parte. O rio é mais e também menos do que a água.
Belo, como sempre!

Beijinho, Graça. :)

Sandi disse...

💙💕

Jornalista Douglas Melo disse...

Querida amiga Graça.
Como diz uma de minhas frases:

“As bocas falam, engolem, engasgam, cospem, guardam os dentes que mordem e a língua que lambe. As bocas bocejam, riem, assobiam, cantam, gritam e principalmente beijam!”

E que estes beijos possam sempre sorver, estas deliciosas águas que “chovem do Céu da nossa foz”.
Beijos e uma linda semana, como lindos são teus versos!!!

alberto bertow marabello disse...

"Se l'acqua fosse acqua, che voglia di bere"
Mi è venuta in mente questa canzone italiana.
Grazie amica Poetessa.
Buona settimana con molta, molta salute

Maria Rodrigues disse...

Água límpida, fonte de vida e fundamental para nossa existência.
Um poema sublime
Beijinhos

carlos perrotti disse...

Alta poesia, versos que fluem, atemporais, versos que vêm e vão ao mar da poesia, Graça. Magistral.

Grande abraço, Poeta. Cuide-se bem por favor, amiga.

A Paixão da Isa disse...

Sempre muito bom a ler amiga bravo bjs saude

Fê blue bird disse...

Um belo poema, amiga Graça.
Uma boca ávida da frescura prometida.

Beijinho, feliz semana!

Cidália Ferreira disse...

Poema simplesmente Divino! Amei :))
.
Aos Bombeiros que fazem a diferença...
.
Beijo e uma excelente semana.

Os olhares da Gracinha! disse...

A transparência da boa poesia a merecer um aplauso 👏👏👏

JUAN FUENTES disse...

Un fuerte abrazo desde esta tierra andaluza

bea disse...

Havendo sede, não e melhor que "água que escorre dentro da boca".

José Ramón disse...

Buenas noches como siempre sublimes su entrada con esas letras muy reflexivas, Saludos

J.P. Alexander disse...

El agua es vida. Y siempre es un placer tomarla bien fría. Bello poema. Te mando un beso

solfirmino disse...

Oi, amiga, poema maravilhoso, como eu já esperava.
Quando eu li "sem fundo nem fim", lembrei do castigo das 49 Danaides, na mitologia grega, condenadas a encher um tonel sem fundo...
Beijinho e ótima semana

Roselia Bezerra disse...

Boa noite de paz, querida amiga Graça!
A segunda estrofe tocou meu coração.
Gosto muito de desviar meu olhar pelas águas e me encharcar de Amor.
Belíssimo e intenso, como sempre.
Tenha dias abençoados!
Beijinhos com carinho de gratidão

Toninho disse...

Lindo demais Graça, posso sentir a frescura das palavras na nascente.
Imagino a maravilha a coletânea.
Linda semana com leveza da elegância de seus poemas.
Beijo amiga.

Tais Luso de Carvalho disse...

O mais pura sinal de vida, e vai dividir sua vida pelos mais longínquos caminhos da terra! Maravilha!!
Uma feliz semana, querida amiga Graça!
beijinho

Agostinho disse...

O espírito do nome
permanece
na mente
Não mente a Poeta
Na sua boca
a palavra
como rio
Puríssima MJC

Obrigado, Amiga Graça Pires, pelo bom gosto com que nos brinda. Saúde. Bj.

ManuelFL disse...

Não lembrar o rio,
apenas a água
prometida pela nascente.

Que belíssima homenagem, Graça, à memória de Maria Judite de Carvalho.

Beijo.

Marco Luijken disse...

Hello Graça,
Nice words of water. Very nice.
And you have added a nice picture.

Big hug, Marco

Flor disse...

Belíssimo poema Graça. Beijinho.

Fá menor disse...

Delicioso, como a mais fresca água. Num crescendo até ao belo remate.

Beijinhos.

Luiz Gomes disse...

Boa noite Graça. Sentido o toque das águas aqui no Rio de Janeiro, através das suas lindas palavras.

Isa Sá disse...

Bonito poema.

Isabel Sá
Brilhos da Moda

Majo Dutra disse...

Uma homenagem especial, metaforicamente muito expressiva, lúcida e bela.

Boa semana, querida Graça. Beijinhos.
~~~~~~~~

baili disse...

such a poignant expression so perfectly done even in the tiny bowl of brevity dear Grace !

you are Remarkable friend!

reminded me times when water in the mouth drenched the dry voice and made it intense and complainant ah i am grateful for those days are gone and i make no dame if water makes it's way to eyes :) let it be ,yet i believe tears sown inside grow strong crop of strength :)
hugs and blessings!

Ailime disse...

Boa tarde Graça,
Um poema muito belo numa homenagem poética sublime.
A frescura da água, numa corrente sem margens, a escorrer da boca até ao enrouquecimento da voz.
A água puríssima fonte de todas as virtudes.
Gostei muito, minha Amiga, e Enorme Poeta.
Um beijinho e continuação de boa semana.
Ailime

Olinda Melo disse...


Ir beber à nascente a sensibilidade e o talento.
Bela homenagem a Maria Judite de Carvalho no
centenário do seu nascimento, escritora de grande
valor ainda desconhecida do grande público.
Gostei muito, querida amiga Graça.
Beijinhos
Olinda

Mário Margaride disse...

Olá, amiga Graça!
Passando por aqui, relendo este excelente poema que muito apreciei, e desejar continuação de ótima semana, com muita saúde.
Beijinhos!

Mário Margaride

http://poesiaaquiesta.blogspot.com

José Carlos Sant Anna disse...

Imagino a bela homenagem a Maria Judite de Carvalho no seu centenário de nascimento pela qualidade do seu poema e seriedade do trabalho de Lilia Tavares e Carlos Campos. Sabemos da importância de Maria Judite de Carvalho na literatura portuguesa.
Cuide-se, minha amiga!
Um beijo

Patrícia Pinna disse...

Boa noite, Graça. Gostei muito do seu poema. Já te disse que leio várias vezes sempre fazendo uma interpretação diferente. Seus poemas são muito ricos. Parabéns.
Beijos, querida.
Fique com Deus.

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Não me canso de te ler minha poeta de pura beleza & metáfora!

Mirtes Stolze. disse...

Bom dia Graça.
Poema lindo, água cristalina, como é gratificante olharmos para uma água límpida. Feliz fds. Enorme abraço.

Ana Freire disse...

Uma magnifica homenagem! Mais uma vez fico extasiada com o caudal profundo... e de pura sensibilidade das suas palavras, Graça... absolutamente admirável!
Um beijinho grande! Continuação de uma excelente semana!
Ana

São disse...

Belisssimo!

Te abraço, minha Amiga

Laura. M disse...

Grandes palabras. Cuidemos este gran regalo de vida.
Preciosa la foto. Me encanta verla y oirla correr.
Buen jueves.
Un abrazo.

Juvenal Nunes disse...

Nem todos os rios correm para o mar, mas todos têm a sua foz.
Abraço amigo.
Juvenal Nunes

teresa p. disse...

Admirável homenagem poética a Maria Judite de Carvalho,figura grande da literatura portuguesa. Água puríssima e fresca numa "corrente sem margem, nem percurso, nem fim"
A imagem que ilustra este magnífico poema é perfeita.
Beijo.

Anete disse...

Água pura, água viva numa linda homenagem.
Meu abraço...

LuísM Castanheira disse...

todas as nascentes
puras e inocentes
são desejo na sede
que o olhar longe mede.
cristalina água
a correr pela boca do Poema.

belo (como sempre)!

(encomendei esta promissora homenagem a Maria Judite de Carvalho)

um beijo, Amiga Graça e saúde.

Siby disse...



Muy bella tu poesía
amiga Graca, lindo
homenaje con mucha
sensibilidad.

Besitos dulces

Siby

Graça Alves disse...

Muito bonito, como sempre!
beijinho

Duarte disse...

Uma homenagem bem merecida, e um poema que define muito bem esse sentir húmido que muitas vezes é de sumo prazer.
Gosto, e muito, daquilo que tão bem expressas em verso. Obrigado.
Beijinhos

ruma disse...

O fluxo de água tem a exclusividade final.

Se cuida. 


Greetings, from Japan, ruma❃

Jaime Portela disse...

Magnífico poema, como sempre.
Gostei de ler, parabéns pelo talento.
Bom domingo, amiga Graça.
Beijo.

Maria João Brito de Sousa disse...

<3

Mário Margaride disse...

Olá, amiga Graça.
Passando por aqui, relendo este lindo poema que muito apreciei, e desejar um feliz domingo! "
Beijinhos!

Mário Margaride

http://poesiaaquiesta.blogspot.com

A.S. disse...

Muito belo!
Um poema que brota da nascente da mais pura água!
Gostei da simples, mas significativa homenagem á Maria Judite de Carvalho. Uma grande perda para a literatura. Tive o prazer de privar com ela. Era alguém simples e fascinante.

Uma boa semana Amiga graça, com muita saúde.
Um beijo.

Gaby Soncini disse...

Que lindo poema! As imagens aquáticas sempre trazem algo tão profundo ao coração, que bela imagem as nascentes, fez-me lembrar de um poema de Helena Kolody, que ela diz que queria ser o fio de água sussurrante na mata.

Abraços com carinho!

© Piedade Araújo Sol disse...

Aguas que correm e lavam a alma.
Bonita e merecida homenagem à Maria Judite de Carvalho.
Semana abençoada.
Beijinhos
:)

Ulisses de Carvalho disse...

e como cantaria Bethânia na música escrita por seu irmão Caetano, "a água lava as mazelas do mundo". um beijo!

Carlos Augusto Pereyra Martínez disse...

En el fondo, entre la poesía, un mensaje en la acción de beber el agua pura: cuidar las cuencas hidrográficas para la vida. Un abrazo. Carlos